Na Mídia

Gestão de Ativos 4.0: workshop gratuito em São Paulo

A WERT SOLUTIONS promove nos dias 03 e 04 de abril, em São Paulo, o workshop “Gestão de Ativos 4.0 – Como preparar sua organização para o futuro que já começou”.

O evento gratuito será realizado no Espaço de Inovação e Coworking Ahoy Berlim, das 9h às 17h e tem como objetivo apresentar a você os desafios da Gestão de Ativos 4.0 e as novidades do MANUSIS 4.0, software especialista em Gestão de Manutenção e Ativos desenvolvido pela WERT.

Entre os temas abordados, as demandas e expectativas dos profissionais e empresas atentas ao papel estratégico da Gestão de Manutenção e Ativos em sintonia com o que está estabelecido nas normas da série ISO 55.000 (PAS 55).

Para fazer sua inscrição, CLIQUE AQUI.

A WERT conta com uma experiência de 14 anos no mercado brasileiro e mais de 2 anos em países como Argentina, México e Chile. A empresa atua no desenvolvimento de soluções para facilitar e, principalmente, tornar ágeis os processos de gestão de manutenção dos ativos de seus clientes, assegurando a busca pelos melhores indicadores de disponibilidade, mantenabilidade e confiabilidade.

O MANUSIS 4.0 , software de Gestão de Manutenção e Ativos desenvolvido pela empresa, é usado por mais de 100 empresas na América Latina, mais de 200 bases em operação, com 10 mil usuários ativos. Além disso, é utilizado todos os dias por mais de 5 mil mantenedores e já ultrapassou a marca de 1 milhão de ativos gerenciados pelo sistema.

Entre os cases de destaque da WERT, estão multinacionais como Grupo CNHi Latam (Case, New Holland, FPT e Iveco), Comau (Service e Robotics), Grupo Copo, Simoldes (Plásticos e Aços), DSM, Unilever, Electrolux, Cosma, Grupo Knapp, Mars, Otis, Sumitomo, entre outras.  


Gestão de Ativos 4.0 – Como preparar sua organização para o futuro que já começou

Quando: 03 e 04 de abril, das 9h às 17h

Onde: Ahoy Berlim – Av. Prof. Manuel José Chaves, 291 – Alto de Pinheiros, São Paulo/SP

03 de abril
– Apresentação do MANUSIS 4.0 e novidades;
– Apresentação do RoadMap do produto;
– Manusis e SAP.

04 de abril
– Momento de dúvidas operacionais;
– Clube do Cliente – desenvolvimento conjunto de novas funcionalidades.

Fazer inscrição.

As 10 principais tendências tecnológicas para 2020

A consultoria Gartner listou as 10 principais tendências no setor tecnológico para que gestores as considerem em suas tomadas de decisão. Confira a lista!
De acordo com a consultoria Gartner, empresa líder de pesquisa em tecnologia de informação (TI), uma tendência tecnológica pode ser definida como um potencial disruptivo substancial que está começando a sair de um estado emergente para um amplo impacto e uso; ou que está crescendo rapidamente com um alto grau de instabilidade, com capacidade para atingir pontos cruciais nos próximos cinco anos.
No Gartner Symposium/ITxpo, a Gartner destacou as principais tendências de tecnologia que serão estratégicas em 2018 para a maioria das empresas, e que irão gerar oportunidades de negócios digitais até 2020 para quem atua em áreas como a de TI.
Confira quais são elas:
1 – Inteligência Artificial (IA)
A criação de sistemas que possam aprender, adaptar e potencialmente atuar de forma autônoma será um campo de batalha importante para fornecedores de tecnologia, pelo menos até 2020. As técnicas de Inteligência Artificial estão evoluindo rapidamente e as organizações precisarão investir significativamente em habilidades, processos e ferramentas para explorar com êxito essas técnicas e criar sistemas aprimorados da tecnologia.
As áreas de investimento podem incluir a preparação de dados, integração, algoritmo e seleção de metodologia de treinamento e criação de modelos. Para isso, vários profissionais, incluindo cientistas de dados, desenvolvedores e donos de processos de negócios, precisam trabalhar juntos.
2 – Aplicativos Inteligentes e Analytics
Ao longo dos próximos anos, praticamente todos os aplicativos e serviços terão algum nível de Inteligência Artificial. Por meio da analytics aumentada (augmented analytics), uma área de crescimento particularmente estratégica que utiliza o aprendizado de máquina para automatizar a preparação de dados, a descoberta de insights e a troca de informações para uma ampla gama de usuários empresariais, trabalhadores operacionais e cientistas de dados tende a se intensificar.
A Inteligência Artificial tornou-se o próximo grande campo de batalha em uma ampla gama de mercados de software e serviços, incluindo aspectos do planejamento de software de gestão empresarial (ERP). O software e os provedores de serviços integrados devem delinear como eles usarão a IA para adicionar valor comercial em novas versões sob a forma de analytics avançadas, processos inteligentes e experiências avançadas de usuários.
3 – Coisas Inteligentes
As coisas inteligentes são coisas físicas que vão além da execução de modelos de programação rígidos para explorar a IA como forma de oferecer comportamentos avançados e interagir mais naturalmente com seus arredores e com as pessoas. A inovação está gerando avanços para novas coisas inteligentes como veículos autônomos, robôs e drones, e oferecendo capacidade aprimorada para muitas coisas existentes como a Internet de Coisas (IoT), conectada ao consumidor e a sistemas industriais.
4 – Gêmeos Digitais
Gêmeos Digitais (Digital Twins) referem-se à representação digital de uma entidade ou sistema do mundo real. Essa tecnologia no contexto de projetos de IoT é particularmente promissora nos próximos três a cinco anos e está liderando o interesse atualmente. Gêmeos Digitais bem projetados de ativos têm o potencial de melhorar significativamente a tomada de decisões empresariais. A inovação está ligada a suas contrapartes do mundo real e é usada para entender o estado do produto ou sistema, responder a mudanças, melhorar as operações e agregar valor. As organizações implementarão a tecnologia de maneira simplificada no início, depois as desenvolverão ao longo do tempo, melhorando sua capacidade de coletar e visualizar os dados certos, aplicar analytics e regras corretas e responder efetivamente aos objetivos comerciais.
5 – Arquitetura de segurança adaptativa
No final de 2018, 20% dos edifícios inteligentes terão sofrido algum “vandalismo” digital. A complexidade do mundo digital e o surgimento da economia algorítmica, combinados com a indústria do cyber crime, aumentam significativamente as ameaças. Isso exigirá das empresas uma forte estratégia de segurança com medidas para prevenir, detectar e responder aos ataques. Aplicações de autoproteção, bem como analytics para o comportamento de usuários e entidades, irão ajudar a cumprir a arquitetura de segurança adaptativa.
6 – Plataformas conversacionais
As plataformas conversacionais impulsionarão a próxima grande mudança de paradigma na forma como os seres humanos interagem com o mundo digital. O dever de traduzir a intenção muda do usuário para o computador. A plataforma pega uma pergunta ou comando do usuário e depois responde executando algumas funções, apresentando alguns conteúdos ou solicitando uma entrada adicional. Nos próximos anos, as interfaces conversacionais se tornarão um objetivo principal de design para a interação do usuário e serão entregues em hardware dedicado, recursos de sistema operacional, plataformas e aplicativos.
7 – Experiência Imersiva
Enquanto as interfaces conversacionais estão mudando a forma como as pessoas controlam o mundo digital, as realidades virtuais, aumentadas e mistas estão mudando a maneira como as pessoas percebem e interagem com o mundo digital. O mercado da realidade virtual (VR) e da realidade aumentada (AR) é atualmente jovem e fragmentado. O interesse é alto, resultando em muitas aplicações de novidades em VR que oferecem pouco valor comercial real fora do entretenimento avançado, como videogames e vídeos de 360 graus. Para gerar benefícios empresariais reais e tangíveis, as empresas devem examinar cenários específicos da vida real nos quais VR e AR possam ser aplicados para tornar os funcionários mais produtivos e aprimorar os processos de design, treinamento e visualização.
8 – Blockchain
O blockchain está evoluindo de uma infraestrutura de moeda digital para uma plataforma de transformação digital. As tecnologias de Blockchain oferecem uma saída radical dos atuais mecanismos centralizados de transação e manutenção de registros e podem servir como base de negócios digitais disruptivos, tanto para empresas estabelecidas quanto para startups. Embora as propagandas exageradas sobre blockchain tenham originado no setor de serviços financeiros, o blockchain têm vários potenciais de aplicações, incluindo governo, saúde, fabricação, distribuição de mídia, verificação de identidade, registro de títulos e cadeia de suprimentos. Embora seja uma promessa de longo prazo e que, sem dúvida, criará uma disrupção, a inovação está mais à frente do que a realidade atual de blockchain e muitas das tecnologias associadas estarão ainda imaturas nos próximos dois ou três anos.
9 – Event Driven
O negócio central para o digital é a ideia de que o negócio está sempre monitorado e pronto para explorar novos momentos comerciais digitais. Os eventos de negócios podem ser qualquer coisa que seja percebida digitalmente, refletindo a descoberta de condições importantes ou mudanças de condições, por exemplo, a conclusão de uma ordem de compra ou desembarque de uma aeronave. Com o uso de agentes de eventos, IoT (Internet das Coisas), Cloud Computing (computação na nuvem), blockchain, gerenciamento de dados na memória e IA (Inteligência Artificial), eventos comerciais podem ser detectados mais rapidamente e analisados com maiores detalhes. Mas a tecnologia sem mudanças culturais e da liderança não fornece o valor total do modelo conduzido por evento. O negócio digital impulsiona a necessidade de líderes de TI, planejadores e arquitetos de abraçarem o pensamento por evento.
10 – Arquitetura avançada de sistema
A rede digital e as máquinas inteligentes exigem uma arquitetura de computação que as tornem viáveis para as empresas. A solução são as chamadas arquiteturas neuromórficas ultra-eficientes. Estas são alimentadas por field-programmable gate arrays (FPGAs), possibilitando maior velocidade e eficiência energética. Sistemas construídos em FPGAs funcionarão como cérebros humanos permitindo que as capacidades avançadas de aprendizado de máquina se espalhem por todos os endpoints da Internet das Coisas, tais como casas, carros, relógios de pulso e até mesmo seres humanos.
Leia também: as vantagens da Internet das Coisas para os processos de Gestão da Manutenção.

O que é e para que serve o PMOC?

PMOC é a sigla para Plano de Manutenção Operação e Controle, portaria estabelecida pelo Ministério da Saúde em 1998 que busca garantir a qualidade do ar, preservar a saúde das pessoas em ambientes climatizados, e extinguir a chamada Síndrome do Edifício Doente.
O PMOC deve conter a identificação do estabelecimento que possui ambientes climatizados, a descrição das atividades a serem desenvolvidas, a periodicidade das mesmas, as recomendações a serem adotadas em situações de falha do equipamento e de emergência para garantia de segurança do sistema de climatização. Além disso, deve especificar o engenheiro ou técnico responsável por essas funções, que deve possuir habilitação para emitir a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) dos serviços realizados.
O MANUSIS FACILITIES, software especialista em Gestão de Facilities, permite a realização do PMOC dos sistemas de ar condicionado nas instalações da sua empresa. CLIQUE AQUI e conheça.  

Gestão de Facilities torna shopping centers mais inteligentes

No Brasil, o mercado de shoppings centers avança a passos largos. Em 2016 o setor faturou R$157,9 bilhões nos mais de 500 empreendimentos do país, resultando no crescimento de 4,3%. Já para 2017, o setor prevê aumento de 5% nas vendas feitas pelos estabelecimentos e 30 novos negócios no país em 13 cidades que receberão o primeiro shopping.
Nesse contexto de expansão, o papel da gestão de ativos é fundamental para a competitividade e a rentabilidade das operações. A percepção dos administradores de shoppings sobre a importância da manutenção dos ativos é o grande divisor de águas no segmento, demonstrando que os grupos empresariais estão lançando mão de ferramentas de software para melhor gerir seus bens mais valiosos.
A imagem do shopping tem relação direta com a gestão de seus ativos e deve ser cuidada com a total atenção. Um local que passe a impressão de segurança, conforto e bom atendimento será melhor avaliado e mais frequentado.
Com essa demanda crescente por qualidade, aliada ao grande número de ativos, funcionários e ações, não é mais possível tabelar e organizar o trabalho apenas em planilhas de Excel. É necessário a adoção de softwares específicos para a gestão de ativos com foco em prevenção.
Com o auxílio de um software como o MANUSIS Facilities, a manutenção deve atuar com um plano de manutenção preventiva e um plano de inspeções/auditorias, realizando todas as manutenções preventivas, trocando peças de desgaste, inspecionando equipamentos e, principalmente, analisando tendências e indicadores de manutenção como tempo médio entre falhas (MTBF), disponibilidade de equipamento e avaliação de qualidade dos serviços prestados com total domínio sobre as informações para a tomada ágil de decisões.
Ou seja, a velha cultura do quebra-conserta precisa ser rompida rapidamente, principalmente pela rápida ascensão da concorrência entre os empreendimentos. Quem estiver melhor preparado, leva a melhor fatia de clientes.
Leia também no blog da WERT Solutions: as vantagens de um sistema especialista para a Gestão de Manutenção de Ativos.

Gastos mundiais com IoT podem chegar a 800 milhões em 2017, prevê IDC

De acordo com dados atualizados da IDC, empresa líder em inteligência de mercado e consultoria na área de tecnologia, os gastos mundiais em Internet das Coisas (IoT) pode chegar a 800 milhões em 2017, um crescimento de 16,7% em relação a 2016. Até 2021, os gastos em todo o mundo com hardware, software, serviços e conectividade para IoT deverão chegar a US$ 1,4 trilhão.
Ainda segundo a empresa, o verdadeiro valor de IoT está nos softwares e serviços que atuam em conjunto com os dispositivos para permitir a interpretação dos dados capturados e quais as ações a serem tomadas. A discussão já não é mais sobre os sensores conectados, mas sim nas soluções que podem trazer insights que geram valor ao negócio.
O estudo prevê também que os setores que mais irão investir em IoT neste ano serão manufatura (US$ 183 bilhões), transporte (US$ 85 bilhões) e utilities (US$ 66 bilhões). O mercado consumidor será o quarto maior, com US$ 62 bilhões, e deve crescer a 19,4% no ano a ano, alcançando o terceiro lugar em 2021.
O caso de uso com maiores gastos em 2017 será o de operações de fabricação, com US$ 105 bilhões. Tecnologias para redes inteligentes de energia elétrica, saneamento básico e gás (US$ 56 bilhões) e transporte de cargas (US$ 50 bilhões), vêm em seguida. A Gestão de Ativos (US$ 45 bilhões) e tecnologias para cidades inteligentes (US$ 40 bilhões) complementam o ranking.
Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: 81% dos brasileiros acreditam que utilizarão IoT no trabalho em 5 anos.

Wert Solutions é tema de artigo publicado por especialista da área de tecnologia

Recentemente, a Wert Solutions foi o tema de artigo publicado no LinkedIn pelo especialista e um dos profissionais mais reconhecidos do mundo no mercado de inbound marketing e soluções de CRM, Silvio P. Ramos.
Fundador da NewVantage Partners e ex-presidente da Harte-Hanks do Brasil, Ramos afirma no texto que, após uma visita presencial à Wert, ficou “muito bem impressionado com o nível de qualidade nas áreas de desenvolvimento e suporte dos aplicativos sendo trabalhados”. E destaca também o Manusis 4.0 como a ferramenta de manutenção de ativos com maior valor agregado no mercado mundial.
Para ler o artigo completo, clique aqui.

Wert Solutions marca presença no IoT Business Forum 2017

O CEO da Wert Solutions, Rodrigo Rotondo, é um dos palestrantes convidados do IoT Business Forum 2017. A palestra abordará o tema “IoT na Manutenção e Gerenciamento de Ativos”.
O evento será realizado no dia 29 de junho, em São Paulo, e pretende discutir os desafios e mostrar soluções e cases que mostram a viabilidade da adoção de IoT nas empresas brasileiras.
Os painéis de discussão e palestras de negócios contarão com palestrantes exclusivamente escolhidos por sua capacidade de trazer perspectiva e percepção para aumentar o conhecimento, estimular o networking, e apresentar novas perspectivas de negócios aos participantes.

O conceito de IoT – Internet das Coisas no contexto empresarial
Cada objeto é um potencial ponto de negócios ou de contato com seu consumidor. Eles podem informar exatamente onde, quando e como um produto está sendo consumido ou usado, ajudando as empresas nos processos de design, marketing, pesquisa de mercado e na cadeia de produção e abastecimento do mercado.
Bilhões de sensores, rastreadoras e dispositivos inteligentes e conectados à Internet estão sendo instalados em fábricas, escritórios, automóveis, hospitais, aeroportos, shopping centers, hotéis, lojas, fazendas, espaços públicos, residências de consumidores, etc. Tais equipamentos geram informações para plataformas analíticas, para análise e tomada de decisão em tempo real.
Para isso, os dados de sensores e dispositivos remotos precisam estar combinados com um ou mais sistemas, incluindo CRMs, ERPs, WMS, billing, atendimento ao cliente e outras aplicações para ativar automaticamente notificações ou processos de negócios completos e fornecer um painel abrangente de todas as informações relevantes para os negócios.
Assim, muitas empresas estão buscando entender a relevância na adoção de soluções baseadas em Internet das Coisas e em experiências relevantes que possam proporcionar diferencial de mercado, redução de custos, melhoria no time to market e inciativas inovadoras que tragam impacto para os negócios.

Como escolher um sistema de gestão e manutenção de ativos

Sistemas de gestão informatizados são grandes auxiliares nos processos e fluxos de manutenção de ativos, pois reúnem os dados e as ferramentas necessárias para dar à gerência uma visão mais estratégia do processo produtivo, planejando ações que preveem e corrigem possíveis falhas, garantindo a disponibilidade dos ativos envolvidos na produção.
Mas isso não quer dizer que qualquer sistema de gestão e manutenção de ativos irá suprir todas as necessidades e cobrir todos os aspectos do processo produtivo. É necessário estar atento a algumas características fundamentais que auxiliam nas operações de planejamento, execução, acompanhamento e controle da manutenção.
Listamos em um artigo alguns fatores importantes que devem ser levados em consideração na hora de escolher um sistema de gestão de manutenção e ativos, como gestão em ambiente colaborativo, gestão em nuvem e gestão em dispositivos móveisClique aqui para baixar o documento gratuitamente.

As vantagens de um sistema especialista para a Gestão de Manutenção de Ativos

O aumento do número de equipamentos e da complexidade das técnicas de análise preditivas para estes têm sido grandes desafios na área de Gestão de Manutenção de Ativos.
Hoje, para oferecer ganhos em termos de confiabilidade operacional, otimização e sustentabilidade, a Gestão de Ativos exige uma análise abrangente e integrada de dados, informações técnicas e históricos de intervenções.
Assim, mais do que investir em ferramentas de monitoramento, criou-se a necessidade da adoção de sistemas especialistas e integrados que ofereçam dados e informações adaptáveis à estratégia e à realidade cada organização.
Para entender a importância desses sistemas e suas principais vantagens, faça o download gratuito do e-book que preparamos exclusivamente sobre o tema. Clique aqui e baixe o arquivo.

Pesquisa aponta que o mercado mundial de serviços em nuvem crescerá 18% em 2017

O Gartner estima que o mercado mundial de serviços de nuvem pública chegue a US$ 246,8 bilhões, acima dos US$ 209,2 bilhões registrados em 2016. O maior aumento virá dos serviços de infraestrutura de sistemas em cloud (IaaS), com crescimento previsto de 36,8% em 2017, alcançando US$ 34,6 bilhões. Já os serviços de aplicações em nuvem (SaaS), como o Manusis 4.0, devem aumentar 20,1%, totalizando US$ 46,3 bilhões.
De acordo com o relatório divulgado, as empresas estão buscando estratégias por causa do valor multidimensional dos serviços em nuvem, incluindo agilidade, escalabilidade, custo-benefício, inovação, possibilidade de expansão dos negócios e velocidade de implementação.
O Gartner estima que mais de 50% das novas adoções de aplicações por grandes companhias norte-americanas serão compostas por SaaS ou outras formas de soluções baseadas em nuvem. As pequenas e médias empresas estão ainda mais à frente na curva de adoção. Até 2019, mais de 30% dos investimentos em novos softwares dos 100 maiores fabricantes terão mudado de nuvem como prioridade para apenas nuvem.16

pt_BRPortuguês do Brasil