Sabia que a gestão de manutenção é uma grande aliada da gestão de risco? Entenda a relação entre essas duas áreas!

A manutenção de ativos é essencial para qualquer negócio. Ela compreende uma série de atividades que vão garantir a continuidade das operações da empresa. Apesar de serem conceitos distintos, uma boa gestão da manutenção pode contribuir para a qualidade da gestão de risco na empresa. 

Quer saber mais sobre essa relação? Então, continue a leitura e entenda melhor esses conceitos e saiba como a manutenção impacta positivamente na gestão de risco.

O que é gestão da manutenção?

A gestão de manutenção é a adoção de tecnologias, técnicas e metodologias para gerenciar o cuidado de máquinas, instalações e ferramentas utilizadas na empresa. Sendo assim, esse controle é capaz de dar suporte necessário para que as operações do negócio funcionem adequadamente, com o melhor desempenho possível.

Esse setor tem uma importância muito significativa para a empresa, pois, pode depender do segmento de atuação do negócio. Além da falta de manutenção pode acarretar falhas graves, desperdícios e até na indisponibilidade de equipamentos essenciais para dar continuidade às atividades da empresa.

Atualmente, estudos de organizações especialistas, evidenciam uma perda anual mundial de mais de US$ 50 bilhões em paradas inesperadas.

O que é gestão de riscos?

A gestão de riscos tem uma dimensão mais ampla do que a gestão de manutenção. Dessa forma, ela considera uma série de atividades e condições que poderiam afetar a empresa de forma negativa. Esse tipo de controle trabalha especialmente na prevenção de ameaças, ou seja, seu foco no futuro, preparando a empresa para possíveis adversidades.

Existem diferentes tipos de riscos, que podem ser maiores ou menores, conforme o segmento em que a empresa atua:

  • Liquidez: gestão de caixa da empresa, para garantir que haja recursos para manter as operações no curto prazo;
  • Operacional: gestão de fatores que poderiam comprometer o funcionamento da empresa, como catástrofes climáticas, graves e indisponibilidades de máquinas;
  • Mercado: planejamento a oscilações de preços na compra de matéria-prima ou perda de valor de produtos no mercado;
  • Jurídico: adequação a normas e legislação.

Qual a relação entre gestão de manutenção e gestão de risco?

A gestão da manutenção está diretamente relacionada ao risco operacional. Como vimos, a falta de maquinário essencial à empresa pode comprometer a continuidade dos negócios — isso é um risco. Dessa forma, a gestão de manutenção compõe a gestão de risco como uma ferramenta para reduzir esse tipo de ameaça.

A falta de manutenção também pode representar outras ameaças, como acidentes por falhas de equipamentos. Sendo assim, imagine as perdas que uma empresa poderia ter por não prezar pela segurança e integridade de seus funcionários. Além das dificuldades que esses incidentes poderiam causar para o colaborador e seus familiares, a empresa fica exposta a processos judiciais e perdas financeiras. Além disso, a depender do segmento empresarial, o lucro cessante por conta de falhas inesperadas pode comprometer muito um negócio.

Por esse motivo, uma boa gestão de manutenção mais uma vez garante maior segurança às equipes. Dessa forma, por meio de intervenções preventivas e corretivas, a gestão de manutenção garante não somente o bom funcionamento das máquinas, mas também que operem nas melhores condições para o conforto e a segurança do operador.

A gestão da manutenção é uma aliada da gestão de risco. Facilita a implementação de diretrizes, métodos e tecnologias que promovem o bem-estar, a segurança e a produtividade da empresa, busca a aplicação de técnicas e metodologias para buscar a máxima disponibilidade, mantenabilidade e entrega da confiabilidade para a qual as máquinas foram projetadas com base no ROI (retorno do investimento).

Que tal implementar um sistema que contribui para uma gestão da manutenção otimizada? Conheça o Manusis 4.0 e experimente suas funcionalidades gratuitamente!