A Manutenção Autônoma é um dos pilares do TPM (Manutenção Produtiva Total). Sendo assim, é uma estratégia eficaz para derrubar as tradicionais barreiras entre as áreas de Produção e Manutenção. Além disso, contribui para o aumento da utilização dos equipamentos.
A grande questão de qualquer empresa é como fazer a manutenção autônoma. Além de utilizar seus ativos de maneira ótima e com um sistema de gestão de ativos – projetos, operação e manutenção autônoma – organizado e ágil. Por fim, todo ativo é projetado e construído para ter uma confiabilidade operacional, mas está sujeito a falhas.
Isso se deve ao fato de ser formado por conjuntos e componentes que podem falhar. Dessa forma, reduzir ou, até mesmo, eliminar falhas é, tecnicamente, possível, mas aqui surge uma outra questão: como fazer de modo econômico? Confira o conteúdo que preparamos para você sobre manutenção autônoma.

Como cuidar da saúde dos ativos

Qualquer ativo está destinado a falhar se não houver cuidados na operação do mesmo e procedimentos de manutenção adequados e efetivos. Em geral, a produtividade de um ativo é afetada por defeitos pequenos. Dessa forma, esses podem ocorrer e se não forem detectados de modo antecipado, podem causar uma falha por alguns dos motivos abaixo:

  • Condições básicas de operação negligenciadas;
  • Deteriorações ocorrendo por não existir procedimentos adequados de inspeção;
  • Problemas de design e projeto do ativo;
  • Operadores sem as habilidades necessárias para operar o ativo;
  • Padrões operacionais estabelecidos, mas não aplicados.

Nesse cenário, a falta de conhecimento sobre pequenos detalhes, aparentemente insignificantes, pode contribuir para uma quantidade de falhas não esperadas. Afinal, essas falhas poderiam ser evitadas.

Manutenção Autônoma

A Manutenção Autônoma é uma das mais eficientes metodologias para monitoramento da saúde do ativo. Dessa forma, tem como objetivo detectar estados de falhas e defeitos nos ativos.
Tudo isso a tempo de uma intervenção proativa de manutenção. Para tanto, é importante que os operadores de um ativo sejam capacitados e tenham ferramentas que permitam realizar:

  • Inspeções periódicas em seus ativos;
  • Limpezas diárias em seus ativos;
  • Análise e pequenas ações de lubrificação;
  • Quando necessário, reapertos e pequenos ajustes.

Esse conjunto de técnicas compõem o que é chamado de CIL-R – Clean (limpar), Inspection (inspecionar), Lubrication (lubrificação) e Retightening (aperto). Sendo assim, essa técnica permite ao operador identificar anormalidades na operação do ativo. Dessa forma, também consegue realizar ações ao seu alcance ou chamar a equipe de manutenção para solucionar a anormalidade.
Nesse processo, é muito importante ter uma solução de tecnologia que permita tornar esse processo ágil e efetivo. Sendo assim, a Manusis 4.0, com o intuito de auxiliar seus clientes a aprimorar a eficiência e eficácia na gestão de ativos, desenvolveu o plugin Manutenção Autônoma.
Esse plugin permite a execução das atividades da operação registrando as ações que devem ser realizadas pelos operadores. Além disso, as que precisam ser atendidas pela Manutenção através de Aplicativo Mobile para smartphones e tablets.
Quer conhecer mais sobre esse plugin de Manutenção Autônoma? Entre em contato conosco para realizarmos uma demonstração.