indústria 4.0

Big Data e Indústria 4.0: a importância destes conceitos para a Gestão de Manutenção e Ativos

Entenda o que é Big Data e a Indústria 4.0 e como estes avanços tecnológicos podem contribuir para o desenvolvimento do seu negócio
A transformação digital já é uma realidade no mundo empresarial. São conceitos e novas tecnologias que estão alterando os modos de produção e impactam diretamente os negócios. Um bom exemplo destas mudanças é a relação entre Big Data e a Indústria 4.0.
De um lado, temos um grande volume de dados disponíveis para análise de estratégias, com benefícios para os mais diversos setores. De outro, o conceito de fábricas do futuro, que já é um objetivo comum no setor industrial.
A seguir, explicamos para você estes conceitos, mostrando a importância de ambos na Gestão de Manutenção e Ativos.
O que é Big Data?
O Big Data é um grande volume de dados coletados e armazenados para análise e aplicação. O conceito está tem três principais pilares: o volume, que está relacionado à grande quantidade de dados disponível dentro e fora das empresas; a velocidade, pois a cada segundo muitos dados novos são criados na internet, e alguns destes dados podem ser interessantes para cada tipo de empresa; e o terceiro e último está relacionado à variedade, sendo que o dado pode ser um compartilhamento de um texto em uma rede social, um post no blog, um review de produto em formato de vídeo.
Sendo assim, na era da Indústria 4.0,  os dados se tornam a base das tomadas de decisão, tornando-as mais precisas e eficientes.
O que é Indústria 4.0?
O termo Indústria 4.0 faz alusão a uma quarta revolução industrial, momento em que os sistemas em nuvem, de inteligência artificial e outras plataformas virtuais, são utilizadas para tornar os processos mais eficientes, autônomos e conectados a toda a cadeia de valor.
No entanto, para transformar esse projeto em realidade, o uso de dados representa uma etapa fundamental do processo. Eles precisam ser integrados à dinâmica da fábrica, permitindo que os gestores — por meio de softwares — monitorem e controlem cada ativo em tempo real.
Hoje, é possível descobrir novas informações e identificar padrões que permitam melhorar cada processo da produção industrial — o que inclui aumentar a eficiência da cadeia de suprimentos e mapear variáveis que afetam a produção, por exemplo.
Atualmente, estabelecer o padrão de Indústria 4.0 como objetivo estratégico e começar a inovar é um diferencial competitivo e de sobrevivência no mercado.
Nesse sentido, a Gestão de Manutenção tem um papel fundamental nas empresas, gerando impactos significativos nos resultados de qualquer negócio. Por meio do Big Data, é possível realizar a análise de dados históricos dos equipamentos e de cada processo.
Com estas informações, obtém-se uma análise que permite o ajuste dos cronogramas e uma manutenção manutenção preditiva. Reduz-se, assim, o índice de paradas, quebras de equipamentos e solicitações de serviços, o que diminui também o custo com ações corretivas e garante uma produção mais eficiente.  
Um estudo da Honeywell-KRC mostra, por exemplo, que utilizar o Big Data nas estratégias de Gestão de Manutenção pode reduzir as falhas em até 26%, e o tempo de inatividade em quase um quarto. São indicadores importantes, pois mostram a capacidade de retorno produtivo e financeiro da adoção dessa tecnologia.
Por isso, é fundamental investir em uma cultura inovadora, fomentando a implementação de soluções que otimizem os processos industriais e tornem sua empresa mais eficiente. Combinar Big Data e a Indústria 4.0 permite a revisão e aperfeiçoamento de processos e procedimentos, eleva o desempenho dos ativos e pode melhorar a eficácia e facilitar o atingimento das metas. Em resumo, a Gestão de Ativos atrelada à Indústria 4.0 e ao Big Data suporta a realização de valor, ao mesmo tempo em que equilibra os custos financeiros, ambientais e sociais, o risco, a qualidade de serviço e o desempenho relacionado aos ativos, melhorando a sustentabilidade das operações e da organização.  
O MANUSIS 4.0, por exemplo, realiza os cálculos de utilização e previsão, gerando resultados instantaneamente e o agendamento automático de futuras manutenções. Todas estas ações são registradas em tempo real no sistema, alimentando relatórios para análise de desempenho e adequação do planejamento aos objetivos do seu negócio. De posse de relatórios e indicadores precisos, o gestor pode estipular e checar a disponibilidade dos recursos determinados para cada período, conforme o agendamento das manutenções. Este controle auxilia também no apontamento da mão de obra necessária para cada serviço e na avaliação de desempenho destes profissionais de acordo com as expectativas produtivas do negócio.  Solicite aqui uma demonstração gratuita do MANUSIS 4.0 e descubra como o sistema pode transformar a sua empresa.

WERT participa do evento Transformação Digital na PUCPR

O encontro reuniu universitários e empresas para discutir os impactos da Indústria 4.0 na sociedade
Nos dias dias 18 e 19 de abril de 2018, a WERT SOLUTIONS participou do evento Transformação Digital, realizado pela Escola Politécnica da PUCPR. O encontro reuniu a comunidade acadêmica, governamental e empresarial para apresentar os projetos de sucesso que se beneficiam da Indústria 4.0 e estão contribuindo para a sociedade.
Desde 2017, a WERT mantém um projeto de cooperação técnica e científica com a instituição, baseada no desenvolvimento de tecnologias embarcadas ao Manusis 4.0 com foco na Indústria 4.0.
Além da WERT, outras 13 empresas brasileiras apresentaram na ocasião os cases de tecnologia, como Bosch do Brasil, Volvo do Brasil, Festo do Brasil, IBM, TOTVS e Rockwell Automation. Para o coordenador do curso de Engenharia Mecatrônica, Ricardo Alexandre Diogo, o objetivo do evento era de apresentar para a comunidade os resultados da Indústria 4.0.
“O termo Indústria 4.0 é atual, mas ainda os resultados das tecnologias aplicadas têm sido pouco divulgados. Foi uma ótima oportunidade para conhecermos cases aplicados nas indústrias”.
Leia também: como a Indústria 4.0 impacta o futuro da Manutenção e Gestão de Ativos.

Sistema Fiep lança MBA com diplomação internacional em Indústria 4.0

Aulas começam em junho e o curso terá um módulo na Alemanha
As inovações tecnológicas digitais implantadas nos processos industriais e nas linhas de produção deram origem ao termo Indústria 4.0, que faz alusão a uma quarta revolução industrial, momento em que os sistemas em nuvem, de inteligência artificial e outras plataformas virtuais, são utilizadas para tornar os processos mais eficientes, autônomos e conectados a toda a cadeia de valor. Entretanto, mesmo com o espaço produtivo sendo ocupado cada vez mais por inovações, é necessário um aperfeiçoamento também dos profissionais e das lideranças capazes de criar valor efetivo e sustentável,  em meio a tantas alternativas digitais para melhorar a produtividade das empresas.
Por isso, o Sistema Fiep, por meio das Faculdades da Indústria, lança um MBA focado em indústria 4.0. Abrangendo tanto a parte da engenharia como a da gestão da indústria, o MBA em Liderança para Transformação Digital e Indústria 4.0 está com inscrições abertas e terá um módulo internacional em parceria com a SIBE (School of International Business and Entrepreneurship) da Stenbeis University Berlin, na Alemanha. O módulo garante a dupla diplomação e os custos com passagens, hospedagem, parte da alimentação e ainda tour por empresas referência em indústria 4.0 da região de Baden-Württemberg já estão inclusos no valor do MBA.
De acordo com o Gerente de Operações do Sistema Fiep, Fabricio Luz Lopes, por ter o foco principal na gestão da indústria 4.0, o MBA se diferencia por preparar lideranças industriais efetivas frente aos desafios da nova economia. “O movimento da indústria 4.0 não é algo que a indústria consegue fazer sozinha. É preciso conhecer as necessidades e estabelecer parcerias com startups, por exemplo. Por isso, o MBA vai preparar as pessoas para liderarem o movimento de transformação digital dentro de seus ambientes de trabalho, criando a capacidade de tomar decisões e até mesmo reconhecer quem são as pessoas que elas precisam contratar para sair do mundo offline e ir para o mundo digital”, detalha.
Segundo ele, os módulos do MBA foram planejados a partir de uma pesquisa e aproximação com as indústrias e com especialistas do tema para estabelecer os principais desafios e prioridades com relação às temáticas que envolvem a indústria 4.0.
As matrículas estão abertas e as inscrições podem ser realizadas aqui.
Leia também no blog da WERT: como preparar a sua empresa para os impactos da Indústria 4.0.

Como preparar minha equipe para o uso de dispositivos IoT?

Entenda o impacto da Internet das Coisas para o seu negócio e descubra se sua equipe está pronta para esta evolução tecnológica.
A Internet das Coisas (IoT) está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, seja em smartphones, veículos, eletrodomésticos ou até mesmo em objetos. Ela está modificando a forma como a sociedade interage e se comunica, criando as conhecidas cidades inteligentes.
No mundo empresarial não é diferente. As atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho passaram a contar com a colaboração de máquinas conectadas para a tomada de decisões mais ágeis e eficientes. Isso representa um importante diferencial competitivo para as empresas que visam se reinventar e aprimorar seus serviços e produtos.
Para as corporações, adotar a IoT nos negócios significa também enfrentar diversos desafios, como a questão da segurança. O grande volume de dispositivos conectados à rede corporativa representa um aumento na vulnerabilidade e no trabalho da equipe de TI, que é responsável por gerenciar as redes e garantir sua proteção.
Por isso, há algumas recomendações que devem ser seguidas para a criação de uma estratégia inicial que seja capaz de lidar com as elevadas conexões de IoT na rede corporativa. Conheça algumas delas:
POLÍTICAS DE SEGURANÇA – Primeiramente, é necessário atualizar as políticas de segurança de acesso à rede, pois as formas de se conectar mudaram. A TI deve elaborar uma nova política que estabeleça diretrizes de integração e conexão de dispositivos IoT para uma simplificação do monitoramento e supervisão da rede. É importante que todas as regras sejam documentadas e repassadas à equipe, assim, todos podem consultar em caso de dúvidas.
ESCALABILIDADE – A política de segurança deve definir, ainda, um nível de acesso diferente para cada tipo de usuário. Assim, apenas contas privilegiadas terão permissão para utilizar dados sigilosos. Além disso, a política de segurança deve incluir etapas que forneçam os registros de acesso. Dessa forma, quando os recursos de segurança desconectam um acesso suspeito, a TI conseguirá ter detalhes para verificar o que aconteceu.
MONITORAMENTO – Outro fator essencial para administrar os dispositivos de IoT é possuir visibilidade total da rede. A empresa deve investir em ferramentas de monitoramento que consigam fornecer uma alta visibilidade de todo o ambiente para que a TI tenha uma visão ampla de todas as pessoas e dispositivos que se conectam à rede, além dos horários e locais dessas conexões, para poder separar o que é considerado acesso normal de possíveis ameaças. Dessa forma, os administradores podem contar com uma visão geral das portas que estão em uso para poder manter fechadas aquelas que não estão e evitar problemas.
ATUALIZAÇÃO – Manter-se sempre atualizado também é essencial para ter uma estratégia bem-sucedida, capaz de suportar todos os dispositivos IoT. O profissional de TI deve controlar por meio de listas práticas quem, especificamente, é responsável por cada dispositivo conectado e cada novo acesso que é realizado. Assim, em caso de alguma violação, torna-se mais rápido detectar e reduzir os perigos. Além disso, é necessário implementar patches e realizar auditorias regulares para garantir que todas as ferramentas e processos de segurança estejam funcionando corretamente.
TREINAMENTOS – Investir em treinamentos e palestras para os funcionários se integrarem com essas inovações também é uma tarefa fundamental para as empresas estarem prontas para essa nova realidade. Ofereça cursos, palestras e demonstrações para todos os setores, periodicamente, para que ninguém fique desatualizado. Lembre-se: profissionais bem treinados tendem a cometer menos erros e podem até oferecer novas soluções para o seu negócio.
Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: como escolher um sistema de gestão e manutenção de ativos.

Como preparar a sua empresa para os impactos da Indústria 4.0

Entenda como a Indústria 4.0 impacta o mundo dos negócios e confira dicas para preparar sua empresa para essas mudanças!
Na revolução industrial, cerca de 80 a 90% das máquinas foram substituídas por equipamentos a vapor para que a revolução fosse totalmente completa.
Agora, o processo não é diferente. Na chamada Quarta Revolução Industrial, apenas quando as empresas começarem a instalar máquinas e equipamentos com interfaces homem-máquina, a Indústria 4.0 e sua revolução estarão encaminhadas.
A Indústria 4.0 implica na adoção de estratégias de alta tecnologia, sistemas físico cibernéticos e IoT com o objetivo de chegar às fábricas inteligentes. Nesse cenário, com alta capacidade de adaptação e processamento, a eficiência dos recursos e a integração dos negócios trazem à indústria uma capacidade gigante de produção e especialização.
Vale salientar que essa tecnologia remove os custos de manutenção desnecessários e ajuda a melhorar o tempo de atividade e disponibilidade dos ativos. Mas, como reagir a essa tendência? Confira algumas dicas da WERT Solutions:
Estratégia – À medida que chegam novas possibilidades no mercado, empresas de fabricação também mudam seus processos. Sua empresa também precisará se adaptar às estratégias tecnológicas para se manter competitiva. Contar com recursos tecnológicos da Indústria 4.0 deve fazer parte de sua estratégia para tornar-se líder no mercado.
Oportunidades – Aproveite ao máximo as tecnologias e a Internet das Coisas. Como a automação é um componente chave da Indústria 4.0, sua empresa deve estar à procura das últimas tecnologias e utilizá-las como oportunidade de evolução e mudança de patamar.
Modelo de negócio – Reavaliar seu modelo de negócios é importante para lidar com as novas tecnologias e processos. Quando sua estratégia mudar, faça as adaptações necessárias no modelo de negócios da sua empresa para acompanhar o mercado e a Indústria 4.0.
Investimento em tecnologia – Não será possível participar da Indústria 4.0 sem se adaptar aos recursos tecnológicos. E para obter os ganhos dessa revolução na manutenção de ativos, é preciso abraçar meios que automatizam os processos da sua empresa e que impactam diretamente na indústria.
Leia também no blog da WERT: a Manutenção no Contexto da Manufatura de Classe Mundial (WCM).

9 pilares para a implantação da Indústria 4.0

A Indústria 4.0, revolução que atingirá o setor produtivo, já está sendo debatida e disseminada no Brasil. A aplicação de novas tecnologias criará equipamentos totalmente automatizados que “conversam” entre si, modernizando o processo produtivo.
Como consequência, as empresas utilizarão seus recursos de forma mais eficiente, terão economia nos custos e a capacidade de criar produtos altamente customizáveis. Mas para garantir a sua plena funcionalidade, são necessárias algumas ferramentas estabelecendo, assim, os noves pilares da Indústria 4.0.
O primeiro deles são os robôs autônomos, que terão papel central garantindo a segurança de todo o processo produtivo.
A manufatura aditiva, por sua vez, permitirá a criação de uma grande variedade de peças por meio da tecnologia de impressão 3D, que adapta rapidamente qualquer produto adicionando matéria prima sem a necessidade de usar moldes físicos. Sua utilização garantirá maior flexibilidade e capacidade de impressão de geometrias complexas.
A tecnologia da Internet das Coisas é um dos pilares mais importantes da Indústria 4.0. Ao conectar as máquinas a uma rede de computadores, ela possibilita a centralização e a automação total da produção.
Como todos os equipamentos estarão conectados a uma rede, a cyber-segurança será primordial. Procedimentos de governança de TI serão extremamente necessários para garantir a existência de uma rede segura.
Outro pilar é a simulação, que permite que operadores testem e otimizem processos e produtos ainda na fase de concepção, diminuindo os custos e o tempo de criação.
Sem o Big Data Analytics não haverá Indústria 4.0. Seu papel é central ao verificar detalhadamente os números e as estatísticas de uma indústria, para, assim, identificar falhas nos processos, otimizar a qualidade da produção e economizar energia, tornando mais eficiente a utilização de todos recursos.
Os sistemas integrados de TI unificarão uma cadeia de valor automatizada, por meio da digitalização de dados.

Com as fábricas totalmente digitalizadas, a computação na nuvem servirá para armazenar todas as informações em um banco de dados que poderá ser acessado de qualquer lugar do mundo.
Por fim, temos a realidade aumentada, o nono e último pilar da Indústria 4.0, que conectará o ambiente real e virtual. Seu desenvolvimento ainda está em um estágio inicial, mas estima-se que ela poderá aumentar a eficiência da indústria, principalmente no que diz respeito à manutenção.
Para saber mais sobre os impactos da Indústria 4.0 na Gestão e Manutenção de Ativos, CLIQUE AQUI.

Os 5 princípios da Indústria 4.0

Os cinco princípios pensados para o desenvolvimento e a implantação da Indústria 4.0  definem os sistemas de produção inteligentes que deverão surgir nos próximos anos. Confira cada um deles:
1 – Capacidade de operação em tempo real: aquisição e tratamento de dados instantaneamente. Responsável por permitir a tomada de decisões em tempo real.

  1. Virtualização: é a continuidade e evolução das simulações já existentes. A proposta aqui é a produção de cópias virtuais das fábricas inteligentes, que irão permitir a rastreabilidade e monitoramento remoto de todos os processos através de sensores espalhados ao longo da planta.
  2. Descentralização: a tomada de decisões será feita pelo sistema cyber-físico de acordo com as necessidades da produção em tempo real; as máquinas receberão comandos e fornecerão informações sobre seu ciclo de trabalho. Assim será possível que os módulos da fábrica inteligente trabalhem de forma descentralizada e tenham a oportunidade de aprimorar os processos de produção.
  3. Orientação a serviços: utilização de arquiteturas de software orientadas a serviços aliado ao conceito de Internet of Services.
  4. Modularidade: produção de acordo com a demanda, acoplamento e desacoplamento de módulos na produção. Resultado de maior flexibilidade para alterar as tarefas das máquinas facilmente.

Leia também no blog da WERT Solutions: como a Indústria 4.0 impacta o futuro da Manutenção e Gestão de Ativos?

Como a Indústria 4.0 impacta o futuro da Manutenção de Ativos?

Descubra os impactos da Indústria 4.0 na Gestão de Manutenção e Ativos e, consequentemente, nos resultados da sua empresa!
A Indústria 4.0, também conhecida como quarta revolução industrial, é um sistema complexo que, além de conectar máquinas (como na terceira fase da revolução industrial), cria uma network de máquinas, propriedades, ativos, sistemas de informações em toda a cadeia de valor e por todo o ciclo de vida do produto.
Ou seja, com a Indústria 4.0, tudo que está presente em uma indústria e em seu modelo operacional pode ser conectado digitalmente. Quem conseguir tirar o melhor proveito dessa possibilidade, estará um passo à frente no mercado e conseguirá entregar um serviço de maior valor aos seus clientes.
Suportada por tecnologias de Big Data, Internet das Coisas (Internet of Things) e Sistemas Ciber-Físicos (Cyber Physical Systems), a Indústria 4.0 tem impactado o setor de Manutenção e Gestão de Ativos por meio de soluções que facilitam o gerenciamento dos sistemas de produção, proporcionando uma maior capacidade de operação e de planejamento.
Ao conectar máquinas, sistemas e pessoas ao longo de toda a cadeia produtiva, a Indústria 4.0 permite que decisões sejam tomadas de forma autônoma, o que aumenta a capacidade das empresas de prever falhas, agendar manutenções e se adaptarem a mudanças não planejadas.
Neste contexto, o conhecimento de falhas ou da possibilidade destas ocorre rapidamente e as ações de manutenção preditiva podem ser realizadas em tempo real e de forma precisa pelos responsáveis do setor.
Estima-se, por exemplo, que as empresas que investem em soluções da Indústria 4.0, apresentam uma produtividade 18% maior no período de 5 anos. Além disso, a previsão é de que, até 2022, 85% das empresas terão implementado soluções da Indústria 4.0 em todas as divisões de negócios importantes.
Para saber mais sobre esse assunto, leia o eBook exclusivo da WERT SOLUTIONSA Internet das Coisas na manutenção: como conectar equipamentos”.

Wert participa do Seminário Manufatura Avançada, Inovação e a Indústria 4.0

A WERT SOLUTIONS foi uma das empresas patrocinadoras do Seminário Manufatura Avançada, Inovação e a Indústria 4.0. Realizado pelo CREA-MG e pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq/MG), o evento aconteceu no dia 05 de setembro, em Belo Horizonte (MG).
Na ocasião, empresas, profissionais, universidades e estudantes vivenciaram um dia de imersão sobre manufatura avançada e inovação. Entre os temas abordados nas palestras, as novidades no cenário de pesquisa, inovação industrial e manufatura avançada em todo o país, além dos desafios e casos de empresas que tiveram sucesso na implantação da Indústria 4.0, práticas, oportunidades, canais de incentivos e linhas de financiamento disponíveis.
De acordo com os organizadores do Seminário, o objetivo foi reunir players do mercado para que pudessem trabalhar em colaboração, através de um ecossistema de inovação, conhecendo os incentivos para que as empresas participantes possam evoluir na implantação da Indústria 4.0.
Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: As vantagens da ISO 55000 para o processo de Gestão de Ativos da sua empresa.

pt_BRPortuguês do Brasil
pt_PTPortuguês pt_BRPortuguês do Brasil