Tag Archives: KPI

12 jun 2018

Como criar dashboards de desempenho eficazes e atraentes?

Para alcançar o desempenho esperado por sua organização, além de selecionar os KPIs apropriados para o seu setor, é preciso descobrir como medi-los e reportá-los de forma adequada e precisa. Qualquer empresa bem-sucedida quer ser capaz de cumprir seus objetivos organizacionais com sucesso. Nesse sentido, os indicadores-chave de desempenho (do inglês, Key Performance Indicators – KPIs) desempenham um papel importante em quase todas as organizações. Os KPIs fazem parte de um contexto maior, eles são elementos fundamentais na gestão do desempenho corporativo. Confira a seguir como criar ótimos painéis (ou dashboards) de KPIs, descrevendo cada passo necessário para que você possa implementá-los em sua própria organização. Selecione KPIs relevantes​ Medir e monitorar o desempenho do negócio é crítico, mas escolher os indicadores de desempenho-chave errados pode ser prejudicial. KPIs pouco estruturados, ou KPIs que são muito difíceis, caros para obter a informação, ou para monitorar regularmente, são alguns exemplos. Os KPIs certos para sua empresa precisam ser:
  • Alinhados
  • Alcançáveis
  • Incisivos
  • Precisos
  • Acionáveis
  • Vivos
Descreva os KPIs em detalhes​ Depois de selecionar seus principais indicadores de desempenho, é importante que a “ficha técnica” de cada um deles esteja claramente definida. Uma definição completa do indicador evita futuros mal-entendidos sobre suas informações.   A “ficha técnica” de um indicador precisa conter pelo menos: Objetivo Nome Definição Frequência Fonte/fórmula Responsável. Essa é uma ficha básica, não se limite a ela. Defina o tipo do seu dashboard Antes de colocar os KPIs em seu dashboard, é importante saber que os dashboards variam em relação ao seu nível e finalidade.​ Existem três tipos principais de dashboards de desempenho:
  1. Estratégico
  2. Operacional
  3. Analítico
Embora essas sejam as principais categorias que os dashboards podem assumir, provavelmente haverá casos em que um híbrido de dois tipos pode ser necessário. Independentemente do tipo de dashboard de KPI que você use, os gestores e a equipe devem ser capazes de obter as respostas às perguntas em tempo real e agir com todos os dados consolidados em um só lugar.​ Escolha o tipo de gráfico perfeito Para cada KPI, você precisa definir como compartilhar as informações que você coletou. Existem vários tipos de gráficos que ficam ótimos em um dashboard, cada um ideal para um tipo diferente de indicador: gráficos de pizza, tabelas, gauges, gráficos de barras, gráficos de linhas, etc.​ Desenhe dashboards atrativos​ Usando uma  ferramenta que permita criar um layout com drag-and-drop e widgets configuráveis, qualquer um pode criar um dashboard atrativo. Posicione indicadores relacionados próximos um do outro, criando um fluxo linear que seja fácil de seguir. Use cores para trazer vida ao seu painel de desempenho e adicione benchmarks para facilitar a avaliação dos dados.​ Promova a interação​ Um dashboard precisa promover a interação entre a informação e seu leitor. As relações de dependência entre os quadrantes são uma maneira de oferecer ao leitor não apenas informações estáticas, mas também análises flexíveis.​ Mantenha seguro, mas não deixe de compartilhar​ Diferentes usuários têm acesso a informações diferentes, dependendo do seu papel na empresa, suas responsabilidades, etc. Portanto, as configurações de permissão são importantes para garantir a segurança da informação. E, ao invés de enviar um arquivo estático do Excel, você deve poder compartilhar seu dashboard com qualquer pessoa que precise da mesma informação.​ Revise, ajuste e repita​ À medida que os ambientes de negócios mudam ao longo do tempo, as organizações precisam se adaptar e se ajustar – e com os dashboards de KPI não é diferente. Trata-se de um ciclo contínuo de revisão, ajuste e repetição.​Revisões regulares são uma ótima maneira de evitar que seus dashboards fiquem pra trás.​ Dashboards são uma ferramenta incrível para aprimorar a gestão na sua empresa, não deixe de usá-los! Com o Manusis 4.0 você consegue desenvolver relatórios e dashboards personalizados para a sua empresa. Solicite uma demonstração!
24 abr 2018

Quais os melhores indicadores para a Gestão de Ativos?

Entenda os principais ganhos que você pode garantir à sua empresa com a escolha de indicadores de Gestão de Ativos eficientes. Um dos fatores mais determinantes para otimizar o processo de Gestão de Ativos empresariais e industriais é a definição dos KPIs adequados, que expressem dados concretos e possibilitem uma interpretação relevante. Mas o que são os KPIs? A sigla KPI significa, em inglês, Key Performance Indicators ou Indicadores de Performance, em português. Os indicadores de desempenho permitem a definição de metas e a medição dos resultados atingidos em áreas críticas da execução das estratégias. Muitas são as variáveis mensuráveis, mas para resultados mais assertivos, é importante que se defina quais realmente agregam valor ao seu plano de ação. Como definir quais KPIs importam mais? Tendo em mente objetivos, estratégia e plano de ação, defina os KPIs mais relevantes levando em consideração alguns pontos primordiais. Os indicadores devem ser: Apropriados: devem medir precisamente o aspecto operacional que precisa ser medido; Aceitáveis: devem ser considerados por todos; Claros: devem transmitir uma mensagem clara em relação à operação medida; Comparáveis: devem poder ser comparados a dados internos ou externos à empresa; Simples: devem ser fáceis de entender, coletar e interpretar. Deve-se garantir que os indicadores meçam, portanto, a efetividade na aplicação dos processos de manutenção com o intuito de avançar e perpetuar o negócio da organização. Quais os indicadores mais utilizados na gestão da manutenção de ativos? Os KPIs podem variar bruscamente de organização para organização e de meta para meta, mas alguns são encontrados com maior frequência entre os planos de ação nas estratégias de gestão da manutenção, e por isso podem ser considerados alguns dos melhores. São eles:   MTBF (Mean Time Between Failures ou Tempo Médio Entre Falhas): relação entre o produto do número de ativos por seus tempos de operação e o número total de falhas detectadas nesses ativos, no tempo observado; MTTR (Mean Time Between Repair ou Tempo Médio Entre Reparos): relação entre o tempo total de intervenção corretiva em um conjunto de ativos com falha e o número total de falhas detectadas nesses ativos no período observado; A (Availability – Fator disponibilidade): relação entre a diferença do número de horas considerado (horas calendário ou horas de operação efetiva) com a soma do número de horas de intervenção pelo pessoal de manutenção e horas de esperas para cada ativo observado e o número total de horas do período considerado. CMRP (Custo de Manutenção pelo Valor de Reposição): relação entre o custo total de manutenção e a produção total no período; CMFT (Custo de Manutenção por Faturamento): relação entre o custo total de manutenção e o faturamento bruto da empresa no período considerado; CMRP (Custo de Manutenção pelo Valor de Reposição): relação entre o custo total de manutenção de um determinado equipamento e o valor de compra desse equipamento novo. IMSB (Imobilização em Sobressalentes): relação entre o capital imobilizado em sobressalentes e o capital investido em equipamentos. Backlog (Carga futura de trabalho): tempo que a equipe de manutenção deverá trabalhar para executar os serviços pendentes, supondo-se que não cheguem novos pedidos de serviços; TBMP: relação entre o homens-hora gastos em manutenções programadas e os homens-hora disponíveis; TBMC: relação entre homens-hora gastos em manutenções corretivas e os homens-hora disponíveis; TRPM: relação entre homens-hora gastos em treinamento do pessoal de manutenção e os homens-hora disponíveis. Outros indicadores utilizados MP – Cumprimento dos planos de Manutenção Preventiva MPd – Cumprimento dos planos de Manutenção Preditiva GE – Giro do estoque FM – Falta de materiais que afetam os serviços da manutenção IMBA – Custo total de manutenção por ativos imobilizados MO – Custo de mão-de-obra CM – Custo de materiais HHCorretiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Corretiva HHPreventiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Preventiva HHPreditiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Preditiva CP – Cumprimento da Programação AP – Acerto da Programação Para que possamos gerir as informações provenientes à criação dos KPI’s e demais funções da gestão de ativos de forma ágil e otimizada, é importante a utilização de um sistema de Gestão de Ativos eficiente, como o MANUSIS 4.0. Utilizado para auxiliar na melhoria da gestão de ativos, o MANUSIS tem, entre outras funções, fornecer relatórios padrões, pesquisas e questionamentos, mostrando estatísticas sobre custos, desempenho de máquinas, desempenho de linhas produtivas e sobre o que mais se deseje controlar, seguindo as estratégias e características da sua empresa. Conheça AQUI.
17 out 2016

Descubra o que é Gestão de Manutenção de Ativos e seus principais indicadores

De acordo com o dicionário, manutenção é “a combinação de ações técnicas e administrativas, incluindo as de supervisão, destinadas a preservar ou recolocar um item em um estado no qual possa desempenhar uma função requerida”. Essas ações envolvem a conservação, a adequação, a restauração, a substituição e a prevenção de máquinas, equipamentos, ferramentas e instalações. O objetivo principal é manter os itens em suas melhores condições operacionais com custo mínimo. Um dos fatores determinantes para o sucesso das estratégias de gestão e manutenção de ativos em indústrias e empresas é uma boa definição de KPIs, siga em inglês para Key Performance Indicators ou Indicadores de Performance, em português. Quando se fala de indicadores para gestão e manutenção de ativos, é preciso entender termos essenciais como: o que é MTBF e MTTR? O que é Backlog? Aprofunde-se no assunto. Entenda a importância da Gestão de Manutenção de Ativos para as organizações e quais seus principais indicadores baixando gratuitamente o e-book que preparamos. Clique aqui e faça o download.
14 set 2016

O que é MTBF, MTTR e como melhorar esses índices?

Sabe-se que os indicadores de performance são importantes meios de determinar o sucesso das ações de gestão e manutenção de ativos, pois expressam dados que permitem prever e corrigir falhas. Em processos de gestão e manutenção de ativos, muitos podem ser os indicadores de performance utilizados para medir o sucesso ou não das estratégias, mas dois deles podem ser considerados os mais comuns: os índices de MTBF e MTTR. O MTBF (Mean Time Between Failures) representa o tempo médio entre falhas, enquanto o MTTR (Mean Time Between Repair) diz respeito ao tempo médio entre reparos. É preciso saber quando é esperado que um desses tempos aumente ou diminua. Para entender melhor o papel de cada um, como melhorar MTBF e como melhorar MTTR, preparamos um material especial com suas definições, atribuições e fórmulas de cálculo. Clique aqui para baixar gratuitamente. Boa leitura!
14 set 2016

O que é e quais são os melhores indicadores de PPCM?

PPCM é a sigla que significa Planejamento, Programação e Controle da Manutenção. O conceito diz respeito a um importante aspecto na gestão de ativos e manutenção, pois é o processo que permite prever, acompanhar e corrigir falhas no funcionamento do processo produtivo. O conceito de Planejamento, Programação e Controle da Manutenção evoluiu com o passar das décadas, à medida em que se percebeu que evitar falhas no processo de produção demanda menos tempo e resulta em menores custos. O PPCM hoje é um importante meio de auxiliar nas tomadas de decisão em relação à gestão e manutenção de ativos, mas para que isso ocorra, os indicadores (ou KPIs) adequados precisam ser definidos com cautela. Se o PPCM atinge esses objetivos, ocorrem melhorias tanto nos custos da manutenção quanto na disponibilidade dos ativos. Isso porque, ao otimizar os recursos da manutenção, suas atividades aumentam a disponibilidade da planta industrial, diminuindo os tempos de parada, otimizando a produção e aumentando os lucros. Implementar um núcleo de PPCM em um processo produtivo é uma tarefa minuciosa, que deve reunir o máximo de informações e dados possível, sempre de acordo com as particularidades de cada processo. Aprofunde-se no assunto e veja quais são os melhores indicadores de PPCM baixando gratuitamente o artigo que preparamos. Basta clicar aqui.
14 set 2016

Os melhores indicadores para gestão e manutenção de ativos

Um dos fatores determinantes para o sucesso das estratégias de gestão e manutenção de ativos em indústrias e empresas é uma boa definição de KPIs, siga em inglês para Key Performance Indicators ou Indicadores de Performance, em português. A definição de indicadores de gestão e manutenção de ativos deve ser feita da forma mais adequada às características do processo produtivo, expressando dados concretos que possibilitem uma interpretação relevante, capaz de prever falhas e otimizar as ações de manutenção preventiva, manutenção preditiva e manutenção corretiva. Alguns termos são recorrentes quando se fala de indicadores para gestão e manutenção de ativos, e é de extrema importância que possamos entendê-los bem: o que é MTBF? O que é MTTR? O que é Backlog? O que é disponibilidade de ativos? Preparamos um material explicando a importância da definição dos melhores indicadores para gestão e manutenção de ativos e respondendo essas e outras questões. Clique aqui e baixe gratuitamente.
Copyright © 2016. Manusis 4.0. Todos os direitos reservados. Agência Cupola.