Tag Archives: IoT

13 mar 2018

Como preparar minha equipe para o uso de dispositivos IoT?

Entenda o impacto da Internet das Coisas para o seu negócio e descubra se sua equipe está pronta para esta evolução tecnológica. A Internet das Coisas (IoT) está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, seja em smartphones, veículos, eletrodomésticos ou até mesmo em objetos. Ela está modificando a forma como a sociedade interage e se comunica, criando as conhecidas cidades inteligentes. No mundo empresarial não é diferente. As atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho passaram a contar com a colaboração de máquinas conectadas para a tomada de decisões mais ágeis e eficientes. Isso representa um importante diferencial competitivo para as empresas que visam se reinventar e aprimorar seus serviços e produtos. Para as corporações, adotar a IoT nos negócios significa também enfrentar diversos desafios, como a questão da segurança. O grande volume de dispositivos conectados à rede corporativa representa um aumento na vulnerabilidade e no trabalho da equipe de TI, que é responsável por gerenciar as redes e garantir sua proteção. Por isso, há algumas recomendações que devem ser seguidas para a criação de uma estratégia inicial que seja capaz de lidar com as elevadas conexões de IoT na rede corporativa. Conheça algumas delas: POLÍTICAS DE SEGURANÇA – Primeiramente, é necessário atualizar as políticas de segurança de acesso à rede, pois as formas de se conectar mudaram. A TI deve elaborar uma nova política que estabeleça diretrizes de integração e conexão de dispositivos IoT para uma simplificação do monitoramento e supervisão da rede. É importante que todas as regras sejam documentadas e repassadas à equipe, assim, todos podem consultar em caso de dúvidas. ESCALABILIDADE – A política de segurança deve definir, ainda, um nível de acesso diferente para cada tipo de usuário. Assim, apenas contas privilegiadas terão permissão para utilizar dados sigilosos. Além disso, a política de segurança deve incluir etapas que forneçam os registros de acesso. Dessa forma, quando os recursos de segurança desconectam um acesso suspeito, a TI conseguirá ter detalhes para verificar o que aconteceu. MONITORAMENTO – Outro fator essencial para administrar os dispositivos de IoT é possuir visibilidade total da rede. A empresa deve investir em ferramentas de monitoramento que consigam fornecer uma alta visibilidade de todo o ambiente para que a TI tenha uma visão ampla de todas as pessoas e dispositivos que se conectam à rede, além dos horários e locais dessas conexões, para poder separar o que é considerado acesso normal de possíveis ameaças. Dessa forma, os administradores podem contar com uma visão geral das portas que estão em uso para poder manter fechadas aquelas que não estão e evitar problemas. ATUALIZAÇÃO – Manter-se sempre atualizado também é essencial para ter uma estratégia bem-sucedida, capaz de suportar todos os dispositivos IoT. O profissional de TI deve controlar por meio de listas práticas quem, especificamente, é responsável por cada dispositivo conectado e cada novo acesso que é realizado. Assim, em caso de alguma violação, torna-se mais rápido detectar e reduzir os perigos. Além disso, é necessário implementar patches e realizar auditorias regulares para garantir que todas as ferramentas e processos de segurança estejam funcionando corretamente. TREINAMENTOS – Investir em treinamentos e palestras para os funcionários se integrarem com essas inovações também é uma tarefa fundamental para as empresas estarem prontas para essa nova realidade. Ofereça cursos, palestras e demonstrações para todos os setores, periodicamente, para que ninguém fique desatualizado. Lembre-se: profissionais bem treinados tendem a cometer menos erros e podem até oferecer novas soluções para o seu negócio. Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: como escolher um sistema de gestão e manutenção de ativos.
04 dez 2017

Como preparar a sua empresa para os impactos da Indústria 4.0

Entenda como a Indústria 4.0 impacta o mundo dos negócios e confira dicas para preparar sua empresa para essas mudanças! Na revolução industrial, cerca de 80 a 90% das máquinas foram substituídas por equipamentos a vapor para que a revolução fosse totalmente completa. Agora, o processo não é diferente. Na chamada Quarta Revolução Industrial, apenas quando as empresas começarem a instalar máquinas e equipamentos com interfaces homem-máquina, a Indústria 4.0 e sua revolução estarão encaminhadas. A Indústria 4.0 implica na adoção de estratégias de alta tecnologia, sistemas físico cibernéticos e IoT com o objetivo de chegar às fábricas inteligentes. Nesse cenário, com alta capacidade de adaptação e processamento, a eficiência dos recursos e a integração dos negócios trazem à indústria uma capacidade gigante de produção e especialização. Vale salientar que essa tecnologia remove os custos de manutenção desnecessários e ajuda a melhorar o tempo de atividade e disponibilidade dos ativos. Mas, como reagir a essa tendência? Confira algumas dicas da WERT Solutions: Estratégia – À medida que chegam novas possibilidades no mercado, empresas de fabricação também mudam seus processos. Sua empresa também precisará se adaptar às estratégias tecnológicas para se manter competitiva. Contar com recursos tecnológicos da Indústria 4.0 deve fazer parte de sua estratégia para tornar-se líder no mercado. Oportunidades – Aproveite ao máximo as tecnologias e a Internet das Coisas. Como a automação é um componente chave da Indústria 4.0, sua empresa deve estar à procura das últimas tecnologias e utilizá-las como oportunidade de evolução e mudança de patamar. Modelo de negócio – Reavaliar seu modelo de negócios é importante para lidar com as novas tecnologias e processos. Quando sua estratégia mudar, faça as adaptações necessárias no modelo de negócios da sua empresa para acompanhar o mercado e a Indústria 4.0. Investimento em tecnologia – Não será possível participar da Indústria 4.0 sem se adaptar aos recursos tecnológicos. E para obter os ganhos dessa revolução na manutenção de ativos, é preciso abraçar meios que automatizam os processos da sua empresa e que impactam diretamente na indústria. Leia também no blog da WERT: a Manutenção no Contexto da Manufatura de Classe Mundial (WCM).
21 nov 2017

Brasil é líder mundial na adoção de IoT, diz estudo

Cada vez mais, a internet das coisas é amplamente aplicada nas diversas áreas desde eletrodomésticos até a indústria. O conceito de IoT (Internet of Things), que é a capacidade de conectar objetos na rede global de computadores para coletar e trocar dados entre eles, introduz uma nova era de como as pessoas interagem com objetos, entre elas e como fazem negócios. E os brasileiros são os mais abertos na adoção de novas tecnologias de acordo com uma nova pesquisa da Worldpay. O estudo aponta que os brasileiros acreditam que a tecnologia é parte da evolução de como as empresas e o público se relacionam. Além disso, 81% dos pesquisados afirmaram que se sentiriam confortáveis em usar a tecnologia em comparação com outros países abordados como Austrália, China, Alemanha, Holanda, Cingapura, Espanha, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos. Os consumidores chineses estão logo atrás, na segunda posição entre os mais receptivos à adoção da Internet das Coisas, com 61% dizendo se sentirem confortáveis na utilização de dispositivos conectados. No outro extremo da pesquisa, apesar do Reino Unido ser um dos países mais preparados do mundo para a aplicação do IoT, ocupa a última posição da lista, pois somente 23% das pessoas gostariam de contar com um dispositivo conectado para fazer pedidos de produtos em nome deles sem necessidade de pedir permissão. Apesar dos brasileiros serem mais propensos à adoção dos dispositivos conectados, a privacidade dos dados pessoais é uma preocupação para 74% dos pesquisados que se interessam em saber como as empresas compartilham seus dados pessoais e um índice ainda maior (82%) se preocupa com o risco desses aparelhos serem invadidos por hackers. A pesquisa foi conduzida por Opinium em junho de 2017 e entrevistou 20 mil consumidores sobre a Internet de Coisas na Austrália, Brasil, China, Alemanha, Holanda, Cingapura, Espanha, Suécia, Estados Unidos da América e Reino Unido. No Brasil, o estudo entrevistou 2.014 consumidores. Leia também no blog da WERT Solutions: gastos mundiais com IoT podem chegar a 800 milhões em 2017.
07 nov 2017

9 pilares para a implantação da Indústria 4.0

A Indústria 4.0, revolução que atingirá o setor produtivo, já está sendo debatida e disseminada no Brasil. A aplicação de novas tecnologias criará equipamentos totalmente automatizados que “conversam” entre si, modernizando o processo produtivo. Como consequência, as empresas utilizarão seus recursos de forma mais eficiente, terão economia nos custos e a capacidade de criar produtos altamente customizáveis. Mas para garantir a sua plena funcionalidade, são necessárias algumas ferramentas estabelecendo, assim, os noves pilares da Indústria 4.0. O primeiro deles são os robôs autônomos, que terão papel central garantindo a segurança de todo o processo produtivo. A manufatura aditiva, por sua vez, permitirá a criação de uma grande variedade de peças por meio da tecnologia de impressão 3D, que adapta rapidamente qualquer produto adicionando matéria prima sem a necessidade de usar moldes físicos. Sua utilização garantirá maior flexibilidade e capacidade de impressão de geometrias complexas. A tecnologia da Internet das Coisas é um dos pilares mais importantes da Indústria 4.0. Ao conectar as máquinas a uma rede de computadores, ela possibilita a centralização e a automação total da produção. Como todos os equipamentos estarão conectados a uma rede, a cyber-segurança será primordial. Procedimentos de governança de TI serão extremamente necessários para garantir a existência de uma rede segura. Outro pilar é a simulação, que permite que operadores testem e otimizem processos e produtos ainda na fase de concepção, diminuindo os custos e o tempo de criação. Sem o Big Data Analytics não haverá Indústria 4.0. Seu papel é central ao verificar detalhadamente os números e as estatísticas de uma indústria, para, assim, identificar falhas nos processos, otimizar a qualidade da produção e economizar energia, tornando mais eficiente a utilização de todos recursos. Os sistemas integrados de TI unificarão uma cadeia de valor automatizada, por meio da digitalização de dados.   Com as fábricas totalmente digitalizadas, a computação na nuvem servirá para armazenar todas as informações em um banco de dados que poderá ser acessado de qualquer lugar do mundo. Por fim, temos a realidade aumentada, o nono e último pilar da Indústria 4.0, que conectará o ambiente real e virtual. Seu desenvolvimento ainda está em um estágio inicial, mas estima-se que ela poderá aumentar a eficiência da indústria, principalmente no que diz respeito à manutenção. Para saber mais sobre os impactos da Indústria 4.0 na Gestão e Manutenção de Ativos, CLIQUE AQUI.
11 out 2017

Como a Indústria 4.0 impacta o futuro da Manutenção de Ativos?

Descubra os impactos da Indústria 4.0 na Gestão de Manutenção e Ativos e, consequentemente, nos resultados da sua empresa! A Indústria 4.0, também conhecida como quarta revolução industrial, é um sistema complexo que, além de conectar máquinas (como na terceira fase da revolução industrial), cria uma network de máquinas, propriedades, ativos, sistemas de informações em toda a cadeia de valor e por todo o ciclo de vida do produto. Ou seja, com a Indústria 4.0, tudo que está presente em uma indústria e em seu modelo operacional pode ser conectado digitalmente. Quem conseguir tirar o melhor proveito dessa possibilidade, estará um passo à frente no mercado e conseguirá entregar um serviço de maior valor aos seus clientes. Suportada por tecnologias de Big Data, Internet das Coisas (Internet of Things) e Sistemas Ciber-Físicos (Cyber Physical Systems), a Indústria 4.0 tem impactado o setor de Manutenção e Gestão de Ativos por meio de soluções que facilitam o gerenciamento dos sistemas de produção, proporcionando uma maior capacidade de operação e de planejamento. Ao conectar máquinas, sistemas e pessoas ao longo de toda a cadeia produtiva, a Indústria 4.0 permite que decisões sejam tomadas de forma autônoma, o que aumenta a capacidade das empresas de prever falhas, agendar manutenções e se adaptarem a mudanças não planejadas. Neste contexto, o conhecimento de falhas ou da possibilidade destas ocorre rapidamente e as ações de manutenção preditiva podem ser realizadas em tempo real e de forma precisa pelos responsáveis do setor. Estima-se, por exemplo, que as empresas que investem em soluções da Indústria 4.0, apresentam uma produtividade 18% maior no período de 5 anos. Além disso, a previsão é de que, até 2022, 85% das empresas terão implementado soluções da Indústria 4.0 em todas as divisões de negócios importantes. Para saber mais sobre esse assunto, leia o eBook exclusivo da WERT SOLUTIONSA Internet das Coisas na manutenção: como conectar equipamentos”.
04 out 2017

Gastos mundiais com IoT podem chegar a 800 milhões em 2017, prevê IDC

De acordo com dados atualizados da IDC, empresa líder em inteligência de mercado e consultoria na área de tecnologia, os gastos mundiais em Internet das Coisas (IoT) pode chegar a 800 milhões em 2017, um crescimento de 16,7% em relação a 2016. Até 2021, os gastos em todo o mundo com hardware, software, serviços e conectividade para IoT deverão chegar a US$ 1,4 trilhão. Ainda segundo a empresa, o verdadeiro valor de IoT está nos softwares e serviços que atuam em conjunto com os dispositivos para permitir a interpretação dos dados capturados e quais as ações a serem tomadas. A discussão já não é mais sobre os sensores conectados, mas sim nas soluções que podem trazer insights que geram valor ao negócio. O estudo prevê também que os setores que mais irão investir em IoT neste ano serão manufatura (US$ 183 bilhões), transporte (US$ 85 bilhões) e utilities (US$ 66 bilhões). O mercado consumidor será o quarto maior, com US$ 62 bilhões, e deve crescer a 19,4% no ano a ano, alcançando o terceiro lugar em 2021. O caso de uso com maiores gastos em 2017 será o de operações de fabricação, com US$ 105 bilhões. Tecnologias para redes inteligentes de energia elétrica, saneamento básico e gás (US$ 56 bilhões) e transporte de cargas (US$ 50 bilhões), vêm em seguida. A Gestão de Ativos (US$ 45 bilhões) e tecnologias para cidades inteligentes (US$ 40 bilhões) complementam o ranking. Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: 81% dos brasileiros acreditam que utilizarão IoT no trabalho em 5 anos.
02 ago 2017

Vantagens da Internet das Coisas para os processos de Gestão da Manutenção

O termo Internet das Coisas ou Internet of Things (IoT) diz respeito a objetos exclusivamente identificáveis (coisas) e suas representações virtuais em uma estrutura de internet. No contexto industrial, o conceito está relacionado à capacidade de utilizar a rede de internet atual para conectar equipamentos e pessoas, promovendo uma eficaz troca de informações, automatização de ações e análise de dados. No contexto da manutenção de ativos, o conceito da Internet das Coisas vem sendo cada vez mais difundido e aplicado, pois permite grande controle das ações de manutenção preditiva e corretiva, diminuindo os espaços de tempo entre manutenções e evitando paradas inesperadas. Mais que isso, possibilita que os gestores consigam antecipar com rapidez e efetividade fatores como desgaste de componentes, eventos, coleta de horas trabalhadas, itens produzidos, movimentação de itens, entre outras diversas informações úteis na estratégia. A crise econômica brasileira tem levado muitas empresas a reduzir seus investimentos em maquinários. Nesse contexto, a gestão da manutenção associada às tecnologias oferecidas pela Internet das Coisas se torna uma ferramenta imprescindível para garantir o bom funcionamento dos equipamentos e estruturas até que haja um reaquecimento da economia. Além disso, torna-se um fator de competitividade, uma vez que, em um mercado cada vez mais disputado, diferenciam-se as empresas que investem em otimização dos processos e soluções inovadoras para reduzir custos, aumentar a produtividade e o tempo de vida útil de seus equipamentos. O conceito da Internet das Coisas é amplo e pode ser aplicado em inúmeros segmentos como segurança, agricultura, varejo, automobilístico, entre outros. No setor da infraestrutura urbana, por exemplo, pode-se controlar redes de energia elétrica, água e saneamento com a captura de informações e avaliações sobre o desemprenho de cada ponto em tempo real, obtendo indicações de manutenção preventiva em focos de prováveis problemas. Inúmeras são as possibilidades, porém, para explorá-las ao máximo, é preciso ter em mente que as máquinas por si só não fazem nada: todo o trabalho só é possível por meio da análise de dados. Invista em tecnologia e garanta retorno: conheça o MANUSIS 4.0, software especialista de Gestão e Manutenção de Ativos com aplicativo mobile e 100% online, ou seja, operado totalmente pela internet. Clique aqui.
27 mar 2017

81% dos brasileiros acreditam que utilizarão IoT no trabalho em 5 anos

Mais de dois terços (81%) dos profissionais brasileiros acreditam no uso de IoT (Internet das Coisas) – no qual os objetos estão conectados e trocam informações entre si, tomando decisões inteligentes, sem interferência humana – nos atuais ambientes de trabalho em até cinco anos. A constatação faz parte de um estudo global patrocinado pela Dell e Intel, Future Workforce Study (Estudo sobre o Futuro da Força de Trabalho). O principal benefício no uso de IoT nos ambientes de trabalho, citado por 60% dos entrevistados no Brasil, é o uso de tecnologias mais inovadoras nas empresas. Em seguida, 57% dos brasileiros indicam que essas soluções devem facilitar a conexão de equipamentos sem fio para compartilhar informações e conectá-los entre si; 37% apontam que devem permitir um uso mais eficiente da energia; 36% acreditam que tendem a permitir um melhor aproveitamento dos espaços de trabalho; e 23% apontam que a Internet das Coisas vai possibilitar a adaptação dos ambientes às preferências individuais (em termos de temperatura, alimentos, layout de mesas etc.). Quando questionados sobre os atuais ambientes de trabalho, 47% dos brasileiros consideram que seus escritórios não são inteligentes o suficiente, 41% avaliam que são adequados e só 10% dizem que trabalham em escritórios bastante inteligentes. Ainda de acordo com o estudo, 89% dos profissionais no Brasil consideram importante que um ambiente de trabalho ideal tenha tecnologias que permitam que os colaboradores interajam remotamente. “O mundo está evoluindo para se tornar cada vez mais conectado e inteligente, e o ambiente de trabalho seguirá pelo menos caminho”, analisa Bárbara Toledo, gerente de marketing para o mercado corporativo da Intel Brasil. “A próxima revolução do trabalho se dará quando conectarmos equipamentos e profissionais na nuvem e analisarmos os dados gerados para criar insights, mitigar ineficiências e criar uma força de trabalho que é verdadeiramente móvel, conectada, colaborativa e inteligente”. O levantamento consultou 3,8 mil profissionais de pequenas, médias e grandes companhias em dez países. O estudo Future Workforce pode ser acessado aqui.
14 set 2016

A Internet das Coisas na manutenção: como conectar equipamentos

A Internet das Coisas refere-se ao termo traduzido Internet of Things (IoT), citado pela primeira vez por Kevin Ashton, tecnólogo britânico, MIT, RFID, em 1999. O termo diz respeito a objetos exclusivamente identificáveis (coisas) e suas representações virtuais em uma estrutura de internet. No contexto industrial, o conceito está relacionado à capacidade de utilizar a rede de internet atual para conectar equipamentos e pessoas, promovendo uma eficaz troca de informações, automatização de ações e análise de dados. No contexto da manutenção de ativos, o conceito da Internet das Coisas vem sendo cada vez mais difundido e aplicado, pois permite grande controle das ações de manutenção preventiva, preditiva e corretiva, diminuindo os espaços de tempo entre manutenções e evitando paradas inesperadas. Entenda a história do que está sendo chamado de Indústria 4.0 e saiba como conectar equipamentos ao sistema de gestão da manutenção no artigo que disponibilizamos para download grátis neste link.
Copyright © 2016. Manusis 4.0. Todos os direitos reservados. Agência Cupola.