Postagens de Wert Solutions

22 maio 2018

WERT participa do evento Transformação Digital na PUCPR

O encontro reuniu universitários e empresas para discutir os impactos da Indústria 4.0 na sociedade Nos dias dias 18 e 19 de abril de 2018, a WERT SOLUTIONS participou do evento Transformação Digital, realizado pela Escola Politécnica da PUCPR. O encontro reuniu a comunidade acadêmica, governamental e empresarial para apresentar os projetos de sucesso que se beneficiam da Indústria 4.0 e estão contribuindo para a sociedade. Desde 2017, a WERT mantém um projeto de cooperação técnica e científica com a instituição, baseada no desenvolvimento de tecnologias embarcadas ao Manusis 4.0 com foco na Indústria 4.0. Além da WERT, outras 13 empresas brasileiras apresentaram na ocasião os cases de tecnologia, como Bosch do Brasil, Volvo do Brasil, Festo do Brasil, IBM, TOTVS e Rockwell Automation. Para o coordenador do curso de Engenharia Mecatrônica, Ricardo Alexandre Diogo, o objetivo do evento era de apresentar para a comunidade os resultados da Indústria 4.0. “O termo Indústria 4.0 é atual, mas ainda os resultados das tecnologias aplicadas têm sido pouco divulgados. Foi uma ótima oportunidade para conhecermos cases aplicados nas indústrias”. Leia também: como a Indústria 4.0 impacta o futuro da Manutenção e Gestão de Ativos.
22 maio 2018

Sistema Fiep lança MBA com diplomação internacional em Indústria 4.0

Aulas começam em junho e o curso terá um módulo na Alemanha As inovações tecnológicas digitais implantadas nos processos industriais e nas linhas de produção deram origem ao termo Indústria 4.0, que faz alusão a uma quarta revolução industrial, momento em que os sistemas em nuvem, de inteligência artificial e outras plataformas virtuais, são utilizadas para tornar os processos mais eficientes, autônomos e conectados a toda a cadeia de valor. Entretanto, mesmo com o espaço produtivo sendo ocupado cada vez mais por inovações, é necessário um aperfeiçoamento também dos profissionais e das lideranças capazes de criar valor efetivo e sustentável,  em meio a tantas alternativas digitais para melhorar a produtividade das empresas. Por isso, o Sistema Fiep, por meio das Faculdades da Indústria, lança um MBA focado em indústria 4.0. Abrangendo tanto a parte da engenharia como a da gestão da indústria, o MBA em Liderança para Transformação Digital e Indústria 4.0 está com inscrições abertas e terá um módulo internacional em parceria com a SIBE (School of International Business and Entrepreneurship) da Stenbeis University Berlin, na Alemanha. O módulo garante a dupla diplomação e os custos com passagens, hospedagem, parte da alimentação e ainda tour por empresas referência em indústria 4.0 da região de Baden-Württemberg já estão inclusos no valor do MBA. De acordo com o Gerente de Operações do Sistema Fiep, Fabricio Luz Lopes, por ter o foco principal na gestão da indústria 4.0, o MBA se diferencia por preparar lideranças industriais efetivas frente aos desafios da nova economia. “O movimento da indústria 4.0 não é algo que a indústria consegue fazer sozinha. É preciso conhecer as necessidades e estabelecer parcerias com startups, por exemplo. Por isso, o MBA vai preparar as pessoas para liderarem o movimento de transformação digital dentro de seus ambientes de trabalho, criando a capacidade de tomar decisões e até mesmo reconhecer quem são as pessoas que elas precisam contratar para sair do mundo offline e ir para o mundo digital”, detalha. Segundo ele, os módulos do MBA foram planejados a partir de uma pesquisa e aproximação com as indústrias e com especialistas do tema para estabelecer os principais desafios e prioridades com relação às temáticas que envolvem a indústria 4.0. As matrículas estão abertas e as inscrições podem ser realizadas aqui. Leia também no blog da WERT: como preparar a sua empresa para os impactos da Indústria 4.0.
24 abr 2018

Quais os melhores indicadores para a Gestão de Ativos?

Entenda os principais ganhos que você pode garantir à sua empresa com a escolha de indicadores de Gestão de Ativos eficientes. Um dos fatores mais determinantes para otimizar o processo de Gestão de Ativos empresariais e industriais é a definição dos KPIs adequados, que expressem dados concretos e possibilitem uma interpretação relevante. Mas o que são os KPIs? A sigla KPI significa, em inglês, Key Performance Indicators ou Indicadores de Performance, em português. Os indicadores de desempenho permitem a definição de metas e a medição dos resultados atingidos em áreas críticas da execução das estratégias. Muitas são as variáveis mensuráveis, mas para resultados mais assertivos, é importante que se defina quais realmente agregam valor ao seu plano de ação. Como definir quais KPIs importam mais? Tendo em mente objetivos, estratégia e plano de ação, defina os KPIs mais relevantes levando em consideração alguns pontos primordiais. Os indicadores devem ser: Apropriados: devem medir precisamente o aspecto operacional que precisa ser medido; Aceitáveis: devem ser considerados por todos; Claros: devem transmitir uma mensagem clara em relação à operação medida; Comparáveis: devem poder ser comparados a dados internos ou externos à empresa; Simples: devem ser fáceis de entender, coletar e interpretar. Deve-se garantir que os indicadores meçam, portanto, a efetividade na aplicação dos processos de manutenção com o intuito de avançar e perpetuar o negócio da organização. Quais os indicadores mais utilizados na gestão da manutenção de ativos? Os KPIs podem variar bruscamente de organização para organização e de meta para meta, mas alguns são encontrados com maior frequência entre os planos de ação nas estratégias de gestão da manutenção, e por isso podem ser considerados alguns dos melhores. São eles:   MTBF (Mean Time Between Failures ou Tempo Médio Entre Falhas): relação entre o produto do número de ativos por seus tempos de operação e o número total de falhas detectadas nesses ativos, no tempo observado; MTTR (Mean Time Between Repair ou Tempo Médio Entre Reparos): relação entre o tempo total de intervenção corretiva em um conjunto de ativos com falha e o número total de falhas detectadas nesses ativos no período observado; A (Availability – Fator disponibilidade): relação entre a diferença do número de horas considerado (horas calendário ou horas de operação efetiva) com a soma do número de horas de intervenção pelo pessoal de manutenção e horas de esperas para cada ativo observado e o número total de horas do período considerado. CMRP (Custo de Manutenção pelo Valor de Reposição): relação entre o custo total de manutenção e a produção total no período; CMFT (Custo de Manutenção por Faturamento): relação entre o custo total de manutenção e o faturamento bruto da empresa no período considerado; CMRP (Custo de Manutenção pelo Valor de Reposição): relação entre o custo total de manutenção de um determinado equipamento e o valor de compra desse equipamento novo. IMSB (Imobilização em Sobressalentes): relação entre o capital imobilizado em sobressalentes e o capital investido em equipamentos. Backlog (Carga futura de trabalho): tempo que a equipe de manutenção deverá trabalhar para executar os serviços pendentes, supondo-se que não cheguem novos pedidos de serviços; TBMP: relação entre o homens-hora gastos em manutenções programadas e os homens-hora disponíveis; TBMC: relação entre homens-hora gastos em manutenções corretivas e os homens-hora disponíveis; TRPM: relação entre homens-hora gastos em treinamento do pessoal de manutenção e os homens-hora disponíveis. Outros indicadores utilizados MP – Cumprimento dos planos de Manutenção Preventiva MPd – Cumprimento dos planos de Manutenção Preditiva GE – Giro do estoque FM – Falta de materiais que afetam os serviços da manutenção IMBA – Custo total de manutenção por ativos imobilizados MO – Custo de mão-de-obra CM – Custo de materiais HHCorretiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Corretiva HHPreventiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Preventiva HHPreditiva – Alocação de mão de obra em serviços de manutenção Preditiva CP – Cumprimento da Programação AP – Acerto da Programação Para que possamos gerir as informações provenientes à criação dos KPI’s e demais funções da gestão de ativos de forma ágil e otimizada, é importante a utilização de um sistema de Gestão de Ativos eficiente, como o MANUSIS 4.0. Utilizado para auxiliar na melhoria da gestão de ativos, o MANUSIS tem, entre outras funções, fornecer relatórios padrões, pesquisas e questionamentos, mostrando estatísticas sobre custos, desempenho de máquinas, desempenho de linhas produtivas e sobre o que mais se deseje controlar, seguindo as estratégias e características da sua empresa. Conheça AQUI.
18 abr 2018

WERT comemora os resultados do workshop Gestão de Ativos 4.0

Evento contou com participantes de empresas dos mais diversos setores. Confira as fotos! Nos dias 03 e 04 de abril, a WERT SOLUTIONS realizou em São Paulo o workshop “Gestão de Ativos 4.0 – Como preparar sua organização para o futuro que já começou”. Com inscrição gratuita, o evento com a presença de profissionais das mais diversas áreas de atuação. Entre os participantes, colaboradores das empresas TCP, Hersheys do Brasil, Knapp Sudameris, Hospital Sírios Libanês, EBBA, entre outras. De acordo com os inscritos, que ao final do workshop receberam uma ficha para avaliar os dois dias de atividades, em uma escala de 0 a 5, a nota para o evento foi de 4,5. Confira algumas fotos: Agradecemos a todos os presentes! E, se você perdeu o evento, não se preocupe: em breve, traremos novidades sobre cursos e treinamentos para a Gestão de Ativos.
10 abr 2018

Wert participa do IV Fórum Discuta Lean Sul

Evento discute a melhoria contínua como base para a Indústria Avançada 4.0. No dia 13 de abril, a WERT SOLUTIONS participa do IV Fórum Discuta Lean Sul, que será realizado no Hotel Monthez, em Brusque (SC). Em 2018, o evento tem como tema “Consolidando a Melhoria Contínua como base para a Indústria Avançada – 4.0”. Na ocasião, o CEO da empresa, Rodrigo Rotondo, realizará a palestra “Gestão de Ativos 4.0”. Outros temas que integram a programação são Indústria 4.0, Manufatura Avançada, produtividade, desdobramento da estratégia empresarial, Lean Logística, Sistema Integrado a Manufatura, treinamento e mudança de cultura. De acordo com os organizadores, o Fórum Discuta Lean tem como objetivo compartilhar conhecimento através de palestras e cases baseados na filosofia lean proporcionando um ambiente para networking. As inscrições para o evento estão encerradas. Mas, caso tenha interesse, você pode se inscrever AQUI em uma lista de espera. Leia também no blog da WERT: por que investir em um sistema de gestão de ativos?
16 mar 2018

Gestão de Ativos 4.0: workshop gratuito em São Paulo

A WERT SOLUTIONS promove nos dias 03 e 04 de abril, em São Paulo, o workshop “Gestão de Ativos 4.0 – Como preparar sua organização para o futuro que já começou”.   O evento gratuito será realizado no Espaço de Inovação e Coworking Ahoy Berlim, das 9h às 17h e tem como objetivo apresentar a você os desafios da Gestão de Ativos 4.0 e as novidades do MANUSIS 4.0, software especialista em Gestão de Manutenção e Ativos desenvolvido pela WERT.   Entre os temas abordados, as demandas e expectativas dos profissionais e empresas atentas ao papel estratégico da Gestão de Manutenção e Ativos em sintonia com o que está estabelecido nas normas da série ISO 55.000 (PAS 55).   Para fazer sua inscrição, CLIQUE AQUI.   A WERT conta com uma experiência de 14 anos no mercado brasileiro e mais de 2 anos em países como Argentina, México e Chile. A empresa atua no desenvolvimento de soluções para facilitar e, principalmente, tornar ágeis os processos de gestão de manutenção dos ativos de seus clientes, assegurando a busca pelos melhores indicadores de disponibilidade, mantenabilidade e confiabilidade.   O MANUSIS 4.0 , software de Gestão de Manutenção e Ativos desenvolvido pela empresa, é usado por mais de 100 empresas na América Latina, mais de 200 bases em operação, com 10 mil usuários ativos. Além disso, é utilizado todos os dias por mais de 5 mil mantenedores e já ultrapassou a marca de 1 milhão de ativos gerenciados pelo sistema.   Entre os cases de destaque da WERT, estão multinacionais como Grupo CNHi Latam (Case, New Holland, FPT e Iveco), Comau (Service e Robotics), Grupo Copo, Simoldes (Plásticos e Aços), DSM, Unilever, Electrolux, Cosma, Grupo Knapp, Mars, Otis, Sumitomo, entre outras.     Gestão de Ativos 4.0 – Como preparar sua organização para o futuro que já começou   Quando: 03 e 04 de abril, das 9h às 17h   Onde: Ahoy Berlim – Av. Prof. Manuel José Chaves, 291 – Alto de Pinheiros, São Paulo/SP   03 de abril – Apresentação do MANUSIS 4.0 e novidades; – Apresentação do RoadMap do produto; – Manusis e SAP.   04 de abril – Momento de dúvidas operacionais; – Clube do Cliente – desenvolvimento conjunto de novas funcionalidades.     Fazer inscrição.
13 mar 2018

Como preparar minha equipe para o uso de dispositivos IoT?

Entenda o impacto da Internet das Coisas para o seu negócio e descubra se sua equipe está pronta para esta evolução tecnológica. A Internet das Coisas (IoT) está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, seja em smartphones, veículos, eletrodomésticos ou até mesmo em objetos. Ela está modificando a forma como a sociedade interage e se comunica, criando as conhecidas cidades inteligentes. No mundo empresarial não é diferente. As atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho passaram a contar com a colaboração de máquinas conectadas para a tomada de decisões mais ágeis e eficientes. Isso representa um importante diferencial competitivo para as empresas que visam se reinventar e aprimorar seus serviços e produtos. Para as corporações, adotar a IoT nos negócios significa também enfrentar diversos desafios, como a questão da segurança. O grande volume de dispositivos conectados à rede corporativa representa um aumento na vulnerabilidade e no trabalho da equipe de TI, que é responsável por gerenciar as redes e garantir sua proteção. Por isso, há algumas recomendações que devem ser seguidas para a criação de uma estratégia inicial que seja capaz de lidar com as elevadas conexões de IoT na rede corporativa. Conheça algumas delas: POLÍTICAS DE SEGURANÇA – Primeiramente, é necessário atualizar as políticas de segurança de acesso à rede, pois as formas de se conectar mudaram. A TI deve elaborar uma nova política que estabeleça diretrizes de integração e conexão de dispositivos IoT para uma simplificação do monitoramento e supervisão da rede. É importante que todas as regras sejam documentadas e repassadas à equipe, assim, todos podem consultar em caso de dúvidas. ESCALABILIDADE – A política de segurança deve definir, ainda, um nível de acesso diferente para cada tipo de usuário. Assim, apenas contas privilegiadas terão permissão para utilizar dados sigilosos. Além disso, a política de segurança deve incluir etapas que forneçam os registros de acesso. Dessa forma, quando os recursos de segurança desconectam um acesso suspeito, a TI conseguirá ter detalhes para verificar o que aconteceu. MONITORAMENTO – Outro fator essencial para administrar os dispositivos de IoT é possuir visibilidade total da rede. A empresa deve investir em ferramentas de monitoramento que consigam fornecer uma alta visibilidade de todo o ambiente para que a TI tenha uma visão ampla de todas as pessoas e dispositivos que se conectam à rede, além dos horários e locais dessas conexões, para poder separar o que é considerado acesso normal de possíveis ameaças. Dessa forma, os administradores podem contar com uma visão geral das portas que estão em uso para poder manter fechadas aquelas que não estão e evitar problemas. ATUALIZAÇÃO – Manter-se sempre atualizado também é essencial para ter uma estratégia bem-sucedida, capaz de suportar todos os dispositivos IoT. O profissional de TI deve controlar por meio de listas práticas quem, especificamente, é responsável por cada dispositivo conectado e cada novo acesso que é realizado. Assim, em caso de alguma violação, torna-se mais rápido detectar e reduzir os perigos. Além disso, é necessário implementar patches e realizar auditorias regulares para garantir que todas as ferramentas e processos de segurança estejam funcionando corretamente. TREINAMENTOS – Investir em treinamentos e palestras para os funcionários se integrarem com essas inovações também é uma tarefa fundamental para as empresas estarem prontas para essa nova realidade. Ofereça cursos, palestras e demonstrações para todos os setores, periodicamente, para que ninguém fique desatualizado. Lembre-se: profissionais bem treinados tendem a cometer menos erros e podem até oferecer novas soluções para o seu negócio. Leia também no blog da WERT SOLUTIONS: como escolher um sistema de gestão e manutenção de ativos.
06 mar 2018

As 10 principais tendências tecnológicas para 2020

A consultoria Gartner listou as 10 principais tendências no setor tecnológico para que gestores as considerem em suas tomadas de decisão. Confira a lista! De acordo com a consultoria Gartner, empresa líder de pesquisa em tecnologia de informação (TI), uma tendência tecnológica pode ser definida como um potencial disruptivo substancial que está começando a sair de um estado emergente para um amplo impacto e uso; ou que está crescendo rapidamente com um alto grau de instabilidade, com capacidade para atingir pontos cruciais nos próximos cinco anos. No Gartner Symposium/ITxpo, a Gartner destacou as principais tendências de tecnologia que serão estratégicas em 2018 para a maioria das empresas, e que irão gerar oportunidades de negócios digitais até 2020 para quem atua em áreas como a de TI. Confira quais são elas: 1 – Inteligência Artificial (IA) A criação de sistemas que possam aprender, adaptar e potencialmente atuar de forma autônoma será um campo de batalha importante para fornecedores de tecnologia, pelo menos até 2020. As técnicas de Inteligência Artificial estão evoluindo rapidamente e as organizações precisarão investir significativamente em habilidades, processos e ferramentas para explorar com êxito essas técnicas e criar sistemas aprimorados da tecnologia. As áreas de investimento podem incluir a preparação de dados, integração, algoritmo e seleção de metodologia de treinamento e criação de modelos. Para isso, vários profissionais, incluindo cientistas de dados, desenvolvedores e donos de processos de negócios, precisam trabalhar juntos. 2 – Aplicativos Inteligentes e Analytics Ao longo dos próximos anos, praticamente todos os aplicativos e serviços terão algum nível de Inteligência Artificial. Por meio da analytics aumentada (augmented analytics), uma área de crescimento particularmente estratégica que utiliza o aprendizado de máquina para automatizar a preparação de dados, a descoberta de insights e a troca de informações para uma ampla gama de usuários empresariais, trabalhadores operacionais e cientistas de dados tende a se intensificar. A Inteligência Artificial tornou-se o próximo grande campo de batalha em uma ampla gama de mercados de software e serviços, incluindo aspectos do planejamento de software de gestão empresarial (ERP). O software e os provedores de serviços integrados devem delinear como eles usarão a IA para adicionar valor comercial em novas versões sob a forma de analytics avançadas, processos inteligentes e experiências avançadas de usuários. 3 – Coisas Inteligentes As coisas inteligentes são coisas físicas que vão além da execução de modelos de programação rígidos para explorar a IA como forma de oferecer comportamentos avançados e interagir mais naturalmente com seus arredores e com as pessoas. A inovação está gerando avanços para novas coisas inteligentes como veículos autônomos, robôs e drones, e oferecendo capacidade aprimorada para muitas coisas existentes como a Internet de Coisas (IoT), conectada ao consumidor e a sistemas industriais. 4 – Gêmeos Digitais Gêmeos Digitais (Digital Twins) referem-se à representação digital de uma entidade ou sistema do mundo real. Essa tecnologia no contexto de projetos de IoT é particularmente promissora nos próximos três a cinco anos e está liderando o interesse atualmente. Gêmeos Digitais bem projetados de ativos têm o potencial de melhorar significativamente a tomada de decisões empresariais. A inovação está ligada a suas contrapartes do mundo real e é usada para entender o estado do produto ou sistema, responder a mudanças, melhorar as operações e agregar valor. As organizações implementarão a tecnologia de maneira simplificada no início, depois as desenvolverão ao longo do tempo, melhorando sua capacidade de coletar e visualizar os dados certos, aplicar analytics e regras corretas e responder efetivamente aos objetivos comerciais. 5 – Arquitetura de segurança adaptativa No final de 2018, 20% dos edifícios inteligentes terão sofrido algum “vandalismo” digital. A complexidade do mundo digital e o surgimento da economia algorítmica, combinados com a indústria do cyber crime, aumentam significativamente as ameaças. Isso exigirá das empresas uma forte estratégia de segurança com medidas para prevenir, detectar e responder aos ataques. Aplicações de autoproteção, bem como analytics para o comportamento de usuários e entidades, irão ajudar a cumprir a arquitetura de segurança adaptativa. 6 – Plataformas conversacionais As plataformas conversacionais impulsionarão a próxima grande mudança de paradigma na forma como os seres humanos interagem com o mundo digital. O dever de traduzir a intenção muda do usuário para o computador. A plataforma pega uma pergunta ou comando do usuário e depois responde executando algumas funções, apresentando alguns conteúdos ou solicitando uma entrada adicional. Nos próximos anos, as interfaces conversacionais se tornarão um objetivo principal de design para a interação do usuário e serão entregues em hardware dedicado, recursos de sistema operacional, plataformas e aplicativos. 7 – Experiência Imersiva Enquanto as interfaces conversacionais estão mudando a forma como as pessoas controlam o mundo digital, as realidades virtuais, aumentadas e mistas estão mudando a maneira como as pessoas percebem e interagem com o mundo digital. O mercado da realidade virtual (VR) e da realidade aumentada (AR) é atualmente jovem e fragmentado. O interesse é alto, resultando em muitas aplicações de novidades em VR que oferecem pouco valor comercial real fora do entretenimento avançado, como videogames e vídeos de 360 graus. Para gerar benefícios empresariais reais e tangíveis, as empresas devem examinar cenários específicos da vida real nos quais VR e AR possam ser aplicados para tornar os funcionários mais produtivos e aprimorar os processos de design, treinamento e visualização. 8 – Blockchain O blockchain está evoluindo de uma infraestrutura de moeda digital para uma plataforma de transformação digital. As tecnologias de Blockchain oferecem uma saída radical dos atuais mecanismos centralizados de transação e manutenção de registros e podem servir como base de negócios digitais disruptivos, tanto para empresas estabelecidas quanto para startups. Embora as propagandas exageradas sobre blockchain tenham originado no setor de serviços financeiros, o blockchain têm vários potenciais de aplicações, incluindo governo, saúde, fabricação, distribuição de mídia, verificação de identidade, registro de títulos e cadeia de suprimentos. Embora seja uma promessa de longo prazo e que, sem dúvida, criará uma disrupção, a inovação está mais à frente do que a realidade atual de blockchain e muitas das tecnologias associadas estarão ainda imaturas nos próximos dois ou três anos. 9 – Event Driven O negócio central para o digital é a ideia de que o negócio está sempre monitorado e pronto para explorar novos momentos comerciais digitais. Os eventos de negócios podem ser qualquer coisa que seja percebida digitalmente, refletindo a descoberta de condições importantes ou mudanças de condições, por exemplo, a conclusão de uma ordem de compra ou desembarque de uma aeronave. Com o uso de agentes de eventos, IoT (Internet das Coisas), Cloud Computing (computação na nuvem), blockchain, gerenciamento de dados na memória e IA (Inteligência Artificial), eventos comerciais podem ser detectados mais rapidamente e analisados com maiores detalhes. Mas a tecnologia sem mudanças culturais e da liderança não fornece o valor total do modelo conduzido por evento. O negócio digital impulsiona a necessidade de líderes de TI, planejadores e arquitetos de abraçarem o pensamento por evento. 10 – Arquitetura avançada de sistema A rede digital e as máquinas inteligentes exigem uma arquitetura de computação que as tornem viáveis para as empresas. A solução são as chamadas arquiteturas neuromórficas ultra-eficientes. Estas são alimentadas por field-programmable gate arrays (FPGAs), possibilitando maior velocidade e eficiência energética. Sistemas construídos em FPGAs funcionarão como cérebros humanos permitindo que as capacidades avançadas de aprendizado de máquina se espalhem por todos os endpoints da Internet das Coisas, tais como casas, carros, relógios de pulso e até mesmo seres humanos. Leia também: as vantagens da Internet das Coisas para os processos de Gestão da Manutenção.
26 fev 2018

Por que investir em um sistema EAM se já tenho um sistema ERP?

Entenda a diferença entre sistemas ERP e EAM, e descubra porque eles são parceiros e não concorrentes na gestão de ativos ERPs (Enterprise Resource Planning) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema (financeiro, compras, estoque, produção, marketing, vendas etc.), possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações do negócio. Oferecem, portanto, uma abordagem consolidada em grande escala para rastreamento de processos relacionados aos ativos de uma organização. No entanto, muitas soluções ERP são antigas e não conseguem suportar o volume e o nível de detalhe exigido de dados e transações corporativas que precisam ser processadas. A mudança de requisitos e o aumento da competitividade em setores da indústria como manufatura, transporte e logística e mineração exigem que as empresas gerenciem seus ativos de acordo com padrões mais elevados. E é isso que oferecem os sistemas EAM (Enterprise Asset Management), softwares especificamente projetados para melhorar o desempenho dos ativos, aumentar a vida útil e reduzir os custos nos ativos físicos de uma organização, principalmente edifícios e equipamentos. Ou seja, o uso de apenas um aplicativo ERP para gerenciar ativos pode provocar falhas nas áreas críticas de gerenciamento de ativos da sua empresa, como agendamento, fluxos de trabalho, padronização, benchmarks, indicadores-chave de desempenho, melhores práticas, análises e manutenção preditiva. Para garantir que sua organização seja capaz de maximizar a vida útil dos ativos, minimizar riscos e abrir caminho para análises preditivas, opte pela integração entre o sistema ERP e o sistema EAM para que cada um desempenhe de modo otimizado seu papel. O MANUSIS 4.0 é um sistema de Gestão e Manutenção de Ativos especialista que pode ser integrado a qualquer ERP ou CMMS através de diferentes protocolos de comunicação. Com uma plataforma modular, permite que módulos específicos sejam utilizados de acordo com a necessidade de cada empresa, facilitando o dia-a-dia da manutenção sem a necessidade de substituir completamente o software de gestão de manutenção ou ERP já implementado na sua empresa. Além disso, o MANUSIS permite um fluxo de dados de modo mais simples e ágil, e outras vantagens como:
  • Avaliação abrangente da condição operacional;
  • Acompanhamento integrado de diversas técnicas preditivas;
  • Medição e ajuste dos parâmetros dos ativos monitorados;
  • Análise mais precisa de dados, agilizando a tomada de decisões;
  • Relatórios periódicos que permitem a medição do desempenho e a elaboração de planejamentos a longo prazo;
  • Economia de recursos e aumento da excelência em serviços;
  • Otimização de processos e redução de custos;
  • Soluções adaptáveis às estratégias de manutenção de cada empresa.
CLIQUE AQUI, conheça o Manusis 4.0.
21 fev 2018

Por que investir em um sistema de gestão de ativos?

Entenda a importância de um sistema especialista em gestão de ativos para tornar sua empresa mais competitiva À medida que o volume de dados, o números de ativos e a complexidade das técnicas de análise preditivas aumenta, o tempo necessário para analisar essas informações também é maior. E, em um mercado cada vez mais digital, a velocidade na tomada de decisões se torna sinônimo de melhores índices de produtividade e redução de custos aos negócios. Daí a importância de um sistema especialista em gestão de ativos. Hoje, para oferecer ganhos em termos de confiabilidade operacional, otimização e sustentabilidade, a Gestão de Ativos exige uma análise abrangente e integrada de dados, informações técnicas e históricos de intervenções. Assim, mais do que investir em ferramentas de monitoramento, criou-se a necessidade da adoção de sistemas especialistas e integrados que ofereçam dados e informações adaptáveis à estratégia e à realidade cada organização. Sistemas de gestão de ativos integrados são grandes auxiliares nos processos e fluxos de manutenção de ativos, pois reúnem os dados e as ferramentas necessárias para dar à gerência uma visão mais estratégica do processo produtivo, planejando ações que previnem e corrigem possíveis falhas, garantindo a disponibilidade dos ativos envolvidos na produção. Além disso, entre as vantagens de um sistema de gestão de ativos para indústrias dos mais diversos setores, podemos citar:
  • Melhor gerenciamento de risco;
  • Rastreabilidade dos ativos;
  • Otimização do uso dos ativos em todo seu ciclo de vida;
  • Aumento da disponibilidade dos ativos;
  • Redução dos custos em reparos e aumento de produtividade;
  • Melhoria do planejamento das ações sob os ativos;
  • Reputação corporativa melhorada devido ao aumento de valor para as partes interessadas, melhor negociabilidade para produtos e serviços, alcance e superação das expectativas dos clientes;
  • Qualidade dos serviços prestados aos clientes;
  • Maximização dos resultados da empresa;
  • Segurança e conformidade com as regulamentações;
  • Aumento da capacidade de inovação;
  • Cumprimento com a Responsabilidade Social e Corporativa;
  • Melhoria da sustentabilidade organizacional.
Copyright © 2016. Manusis 4.0. Todos os direitos reservados. Agência Cupola.